O prefeito Caio Cunha (PODE) denuncia suspeitas de superfaturamento de preços de materiais escolares adquiridos pelo governo anterior para projetos da Secretaria Municipal de Educação. Ele trata do tema em um vídeo postado em suas redes sociais, durante visita, nesta segunda-feira (22) ao Centro de Apoio aos Serviços Municipais (Casem), local usado como depósito de materiais adquiridos por diversas pastas e departamentos.

Durante a vistoria no local para conferir “de perto” todo o estoque da Prefeitura, o prefeito conta que se deparou com um kit, comprado pela Educação, denominado “Palavra Cantada”, composto por dois DVDs e material didático impresso, com capas coloridas.

Segundo o chefe do Executivo, cada uma das unidades teve um custo de R$ 250, preço considerado acima do mercado pelo prefeito. "Estamos averiguando porque isso geralmente é fabricado e vendido por R$ 30 e já é caro”, declara.

Esse é apenas “um dos exemplos do que tem aqui”, reforça Cunha, informando que está registrando e “acompanhando tudo de perto”.

Ele informou que a Prefeitura abriu um processo para apurar o caso, mas não esclarece se pretende formalizar as denúncias junto aos órgãos fiscalizadores.

O ex-prefeito Marcus Melo (PSDB) disse à reportagem de O Diário que prefere não se aprofundar no assunto. Ele afirma, no entanto, que todas as aquisições feitas pela Prefeitura durante o seu governo “seguiram a legislação e os procedimentos legais”, e alega que tudo foi feito “com muita responsabilidade” em sua gestão, de acordo com as regras e orientações das secretarias municipais de Assuntos Jurídicos e de Finanças, com aprovação do Tribunal de Contas do Estado (TCE).    

O Casem é uma unidade da Secretaria Municipal de Saúde que reúne alguns serviços como Setor de Ambulâncias para transportes eletivos, Núcleo de Prevenção e Controle de Arboviroses, almoxarifados e arquivos.