O corpo de Luis Uilton de Freitas Morgado, de 24 anos, foi encontrado pelo Corpo de Bombeiros de Bertioga neste sábado (27), às 9h35, depois de seis dias de busca. Ele estava no Rio Itapanhaú, próximo à estação de tratamento de água da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), que envia água para Riviera de São Lourenço, a mais ou menos 4 quilômetros abaixo do local onde desapareceu.

As buscas foram acompanhadas pela familía de Luis. Eles reconheceram o corpo, que na sequência foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) de Praia Grande.

Na Serra do Mar, domingo (21), ele foi arrastado por uma cabeça d'água após tentar salvar Neire de Araujo Dutra, de 43 anos. O corpo dela foi encontrado na tarde de quarta-feira (24). O local onde o corpo Luis foi encontrado é mais estreito e, geralmente, frequentado por pequenas embarcações de pescadores, além de já estar bem próximo ao Oceano Atlântico.

No dia em que eles desapareceram, os dois estavam com um grupo de cerca de 30 pessoas. Eles fariam rapel na Cachoeira do Elefante, que fica na Serra do Mar. Uma forte chuva se formou e eles decidiram que retornariam. Para que pudessem voltar, amarraram uma corda nas duas extremidades do rio Guacá.

Neire foi a primeira a tentar atravessar, mas se assustou com o volume de água. Luis foi até ela para tentar salvá-la, mas os dois foram arrastados pela cabeça d'água.

Desde a segunda-feira (22), o Corpo de Bombeiros de Bertioga, Mogi das Cruzes e o Helicóptero Águia fazem buscas no local. Eles verificaram as margens dos dois lados do rio Itapanhau (continuação do Guacá). Na quarta-feira, eles entraram no rio com botes e conseguiram encontrar o corpo de Neire.

O Local

Somente na manhã de hoje, depois de os bombeiros realizarem uma verdadeira operação pente-fino no rio, já com o nível mais baixo, é que foi possível encontrar o rapaz. Não há informações sobre onde exatamente o corpo foi achado, nem como os bombeiros conseguiram chegar até ele.

O certo é que o rio Itapanhaú, nas proximidades da estação de tratamento de água da Sabesp, localizada no lado direito do trecho de baixada da ligação rodoviária Mogi das Cruzes-Bertioga, relativamente próximo do posto da Polícia Rodoviária Estadual, facilitou o trabalho de buscas. Afinal, naquele ponto, o rio não é muito largo e tem pouca profundidade, o que pode ter ajudado os bombeiros.

Trata-se de um trecho do rio que desce a caminho do Oceano Atlântico, cortando uma região da mata nativa, sem construções, local só frequentado por pescadores que se aventuram por ali com suas canoas em busca dos invejados robalos, abundantes naquela região, tanto quanto os lambaris de rabos vermelhos.