Entrar
Perfil
ESPECIAL MOGI 462 ANOS

Conheça os novos bairros de Jundiapeba

Projeto para o distrito prevê loteamento com 3 mil lotes e chegada de cerca de 12 mil moradores ao lado do bairro dos Chacareiros

Eliane José
01/09/2022 às 10:36.
Atualizado em 01/09/2022 às 10:36

Os moradores do distrito de Jundiapeba se preparam para o recebimento de novos empreendimentos comerciais e residenciais em áreas como a dos chacareiros, ao lado da Estrada das Varinhas (foto no detalhe) (Foto: Matheus Barbos / Especial para O Diário)

Olá, quer continuar navegando no site de forma ilimitada?

E ainda ter acesso ao jornal digital flip e contar com outros benefícios, como o Clube Diário?

Já é assinante O Diário Exclusivo?
ESPECIAL MOGI 462 ANOS

Conheça os novos bairros de Jundiapeba

Projeto para o distrito prevê loteamento com 3 mil lotes e chegada de cerca de 12 mil moradores ao lado do bairro dos Chacareiros

Eliane José
01/09/2022 às 10:36.
Atualizado em 01/09/2022 às 10:36

Os moradores do distrito de Jundiapeba se preparam para o recebimento de novos empreendimentos comerciais e residenciais em áreas como a dos chacareiros, ao lado da Estrada das Varinhas (foto no detalhe) (Foto: Matheus Barbos / Especial para O Diário)

Um dos processos de conflito de terras mais antigo de Mogi das Cruzes avança com a regularização de uma área onde residem cerca de 1,2 mil famílias cadastradas pela Prefeitura e o andamento de um projeto que irá resultar no surgimento de um novo núcleo residencial e comercial ao lado da região conhecida por ter sido ocupada, no passado, por pequenos produtores rurais, os “chacareiros”. Essa área pertence à Itaquareia, empresa de exploração de minério que atua no distrito de Jundiapeba, há décadas.

Com licenciamentos ambientais e construtivos junto à gestão municipal, a Itaquareia irá lançar um loteamento com 3 mil unidades nas proximidades da Estrada das Varinhas (sentido Quatinga), ao lado do Centro Especializado em Reabilitação Dr. Arnaldo Pezzuti Cavalcanti. As vendas serão realizadas em fases, sendo que o primeiro bloco será composto por 500 lotes, segundo o advogado Nelson Francisco de Godoi, que representa a empresa.

A área que transformará o cenário e irrigará a economia local com novos serviços possui 2,5 milhões de metros quadrados e integra um perímetro que, ao longo dos últimos tempos, foi regularizado por processos judiciais e administrativos, com atores como o Incra e associações representantes dos moradores e agricultores.

Um grupo composto por cerca de 1,2 mil famílias, por meio de acordos, deverá ter acesso à regularização de lotes com 250 metros quadrados.

A Itaquareia adquiriu o terreno que pertenceu, no passado, à Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Nas terras desabitadas, a empresa pretende lotear com unidades para residências, comércios, infraestrutura urbana e equipamentos públicos, como escolas e creche. 
Segundo Nelson Francisco de Godoi, os últimos anos foram focados na aprovação do projeto que teve de ser adaptado porque está localizado ao lado de um manancial, o Rio Jundiaí. Essa característica fez com que esse processo se alongasse durante mais tempo.
Agora, segundo advogado, a empresa se prepara para tocar procedimentos como a conclusão da regularização do imóvel e o início das obras para a abertura de ruas e quadras, já autorizada pela gestão municipal, segundo afirma.

Uma das promessas dos empreendedores desse novo bairro que surgirá dentro do distrito é qualificar a ocupação, com a entrega de praças, escola e creche.

Segundo Godoi, metade da área será ocupada por equipamentos públicos como ruas e praças e a previsão de ciclovia e calçadas largas na Estrada das Varinhas - já há um movimento que pleiteia a duplicação do acesso.

A expectativa do advogado é de lançar as vendas dos lotes o mais breve possível.

Com a exploração mineral ainda sendo realizada do outro lado da pista da Estrada das Varinhas, a Itaquareia ainda não divulga em planos sobre a recuperação ambiental desse endereço. Já se sabe, no entanto, que essa área, não terá uso residencial. A meta é cumprir, ao final da retirada de areia, que é um recurso finito, a reabilitação ambiental.

Jundiapeba vai ampliar e muito, o número de moradores nessa e em outras regiões, como as proximidades da avenida Fumio Horii (Orquídeas) - somente ali, há projetos em elaboração para a construção de condomínios e empreendimentos como um shopping e o Santuário de Nossa Senhora Desatadora dos Nós.

Qualificação

Um dos desafios, nessa fase de aprovação e definição sobre o uso futuro de áreas desocupadas no distrito, será garantir o crescimento populacional com o aparelhamento dos serviços públicos. No passado recente, quando o distrito recebeu os conjuntos Nova Jundiapeba e os seus mais de 10 mil novos moradores, um penoso hiato entre a chegada das famílias e a cobertura social de creches e escolas penalizou, sobretudo, a continuidade a educação de crianças e jovens - que eram transportadas para outros bairros para estudar.

Ali, o desgoverno se repete desde a chegada dos moradores entre os anos 1980 e 1990, atraídos pelas terras de valor mais barato, na margem do rio Jundiaí, num ciclo de ocupação marcado por percalços como grandes enchentes e alagamentos, além da falta de saneamento básico, males que ainda são mitigados até hoje

Conteúdo de marcaVantagens de ser um assinanteVeicule sua marca conosco
O Diário de Mogi© Copyright 2022É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por