Entrar
Perfil
CASA E COMIDA

Após visita à ocupação S.Francisco, bispo fala sobre drama da moradia e pobreza

Dom Pedro Luiz Stringhini afirmou que gostaria de se colocar à disposição para o encontro de uma saída para "um problema político e social" presente em Mogi e em outras cidades brasileiras

Eliane José
03/05/2022 às 14:24.
Atualizado em 03/05/2022 às 16:48

Bispo diocesano, dom Pedro Luis Stringhini, visitou hoje moradores da ocupação na Vila São Francisco (Arquivo Pessoal)

Olá, quer continuar navegando no site de forma ilimitada?

E ainda ter acesso ao jornal digital flip e contar com outros benefícios, como o Clube Diário?

Já é assinante O Diário Exclusivo?
CASA E COMIDA

Após visita à ocupação S.Francisco, bispo fala sobre drama da moradia e pobreza

Dom Pedro Luiz Stringhini afirmou que gostaria de se colocar à disposição para o encontro de uma saída para "um problema político e social" presente em Mogi e em outras cidades brasileiras

Eliane José
03/05/2022 às 14:24.
Atualizado em 03/05/2022 às 16:48

Bispo diocesano, dom Pedro Luis Stringhini, visitou hoje moradores da ocupação na Vila São Francisco (Arquivo Pessoal)

O bispo diocesano de Mogi das Cruzes, dom Pedro Luiz Stringhini, visitou na manhã desta terça-feira (3), a ocupação da Vila São Francisco, onde residem cerca de 300 famílias. "O bispo procura chegar, sempre que possível, onde o povo está e vi que essas famílias estão morando em condições muito precárias, de maneira rudimentar e irregular, onde não podem construir as moradias, e nem ter uma infraestrutura. Vi que há muitas crianças, e pais, que querem batizar os seus filhos, e é isso, como bispo, que nós vamos providenciar, assim como, se possível, eu gostaria de me colocar à disposição para alguma negociação com as autoridades sobre a ocupação", disse.

Dom Pedro, na segunda-feira (2), visitou os trabalhadores da cooperativa de reciclagem de Mogi, que também atuam em condições precárias. "Nesse campo, da moradia, e de condições de trabalho, temos situações precárias. As pessoas não separam o lixo adequadamente, isso complica as condições de separação do que pode ser usado depois, ou não. Temos, urgência em melhorar a educação das pessoas", comentou. A educação é tema da Campanha da Fraternidade de 2022.

Carregando...

O líder católico acrescentou que, para o caso da Vila São Francisco, embora tenha "um olhar olhar de quem não é muito técnico, talvez, vejo que seria possível conseguir alguma urbanização para que as pessoas morem de forma mais digna. porque estão (ali) pessoas que não têm condições de comprar uma casa".

Cerca de 700 pessoas estão vivendo em uma área municipal, deste o ano passado, e há uma decisão judicial que prevê a desocupação, desde que a Prefeitura oferte condições de moradia às famílias.

Para o bispo, falta uma atuação mais ousada dos governos, nesse segmento, para providenciar respostas para a dramática falta de moradia. "De fato, precisaria que as organizações, os governos, fossem mais rápidos e ousados nesse campo".

Questionado se a instalação de infraestrutura, não funcionaria como um incentivo a novas ocupações em imóveis da cidade, o bispo respondeu que "quem não tem habitação, vai sempre ocupar, buscar um espaço para viver. Isso só não vai acontecer quando as pessoas tiverem mais renda, emprego. Essa é uma problemática social e política que se agravou e que teremos de enfrentar".

Segundo ele, o diácono Vinicius, da Paróquia de Braz Cubas, começará a atender as famílias da Vila São Francisco. "Essas pessoas vivem uma grande pobreza e  devem receber um acompanhamento espiritual da igreja", afirmou.

Um dos moradores do lugar, Luis Ricardo Alves, afirmou que a presença de lideranças religiosas é importante e positiva porque "leva uma palavra de conforto e de preocupação com a situação das pessoas" que ali vivem. O bispo estava acompanhado dos vereadores Inês Paz (PSOl),  Iduigues Ferreira Martins (PT) e Edson Santos (PSD).

Vila Piauí

A Diocese de Mogi das Cruzes, segundo dom Pedro, tem acompanhado alguns núcleos de moradia em situação semelhante (embora em melhores condições sanitárias). É o caso da Vila Piauí, em Ferraz de Vasconcelos, onde residem cerca de 20 mil pessoas, e o padre Jorge tem desenvolvimento projetos para assistir a comunidade mais pobre do Alto Tietê, de acordo com o bispo. 

Periferia

Há dez anos à frente da Diocese de Mogi das Cruzes, o bispo aponta, em um balanço do período, a expansão da rede de paróquias, sobretudo em áreas da periferia.

Na década passada, quando chegou ao Alto Tietê, a igreja católica possuía 47 paróquias. Hoje, são 47. "Ainda falta muita coisa, mas procuramos, sobretudo, ter um olhar para a perfieria. Nossa estrutura poderia ser muito melhor, temos ainda muita precariedade sob o ponto de vista estrutural e muito ainda a fazer. Mas, temos uma população em bolsões de pobreza considerável, agora mesmo, as atenções vão se voltar para a população de rua, que cresceu muito, e irá sentir o inverno".

O que vem por aí

Na conversa com O Diário, o bispo destacou a expectativa com a agenda católica  deste ano. Nos próximos dias, começará a Festa do Divino de Mogi das Cruzes, além dos jubileus de 60 anos de implantação da Diocese de Mogi das Cruzes, de 70 anos de sacerdócio do padre Vicente Morlini e do bispo emérito, dom Paulo Mascarenhas Roxo, e de Dom Emmanuele Bargellini, que está à frente da ordem dos Monges Beneditinos Calmadolenses, no Tabor. No próximo dia 29 de maio, o bispo participa da celebração de dedicação de uma nova capela no Mosteiro da Transfiguração,

Conteúdo de marcaVantagens de ser um assinanteVeicule sua marca conoscoConteúdo de marcaConteúdo de marca
O Diário de Mogi© Copyright 2022É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por