Entrar
Perfil
BATEU SAUDADE?

Afogado e o tortinho da Festa do Divino de Mogi serão vendidos

Em esquema apenas para a retirada dos alimentos, Associação Pró-Divino anuncia que os pratos salgados e o doce de abóbora serão preparados por voluntários e comercializados para a entrega de sexta (3) a domingo (5)

ELIANE JOSÉ
30/05/2022 às 13:04.
Atualizado em 30/05/2022 às 17:30

Um dos tradicionais pratos da culinária caipira de Mogi das Cruzes, o afogado é um ensopado à base de batata e carne (Arquivo O Diário)

Como O Diário antecipou na edição do final de semana, os organizadores da Festa do Divino de Mogi das Cruzes receberam a autorização da Prefeitura para a venda de quatro dos tradicionais pratos do festival popular que, neste ano, por causa da pandemia, não conta com a quermesse. Em um esquema de compra que ainda está sendo definido, a Associação Pró-Festa do Divino irá preparar os típicos afogado, tortinho, espetinho de carne e o doce de abóbora, que ainda terão os preços divulgados.

Típicos da culinária caipira da Festa, o tortinho é um salgado que tem como base a farinha de milho, com recheio de carne. Já o afogado, um ensopado de batata e carne, é um dos pratos mais tradicionais da cozinha mogiana, rico em sabores e história - ele era servido aos tropeiros que passavam por Mogi das Cruzes, nos caminhos antigos percorridos entre os estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo.

Um dos tradicionais pratos da culinária caipira de Mogi das Cruzes, o afogado é um ensopado à base de batata e carne (Divulgação/PMMC)

A receita, segundo alguns historiadores é originária do Vale do Paraíba - hoje, os mais famosos, são servidos em Mogi das Cruzes e em São Luis do Paraitinga.

Um comunicado sobre a decisão de preparar e vender esses itens começou a circular na manhã desta segunda-feira (30) entre devotos e voluntários.

A ideia dos organizadores de vender os itens em um esquema de drive-thru havia sido apresentado à Prefeitura. Porém, inicialmente, não se chegou a um acordo sobre a maneira que isso aconteceria, sem provocar aglomeração.

A ideia é que as pessoas apenas retirem os alimentos adquiridos na sede da Pro-Festa do Divino, que fica no Mogilar (em frente ao Centro Universitário Braz Cubas). Não será permitido, segundo os responsáveis, o consumo dos alimentos na sede da entidade - a ideia é não promover a aglomeração das pessoas.

O preparo dos doces começará nesta terça-feira, com um grupo de 8 doceiras - os itens para o preparo serão adquiridos, e não fruto de doação.

Os preços dos prato do afogado, dos salgados e do doce serão anunciados no decorrer desta semana, bem como a forma como será a venda dos produtos.

A venda e o preparo desses produtos serão feitos Associação Pró-Festa do Divino. 

A Festa do Divino começou na quinta-feira, com mudanças, em relação aos dois anteriores: como parte das flexibilizações do plano de enfrentamento à Covid, foi retomado a tradição de servir o café com pão e mortadela aos divineiros que madrugam e participam da alvorada. No salão paroquial da Catedral de Santana, no entanto, foi alterada a entrada e saida das pessoas para não favorecer a aglomeração das pessoas.

  

Conteúdo de marcaVantagens de ser um assinanteVeicule sua marca conosco
O Diário de Mogi© Copyright 2022É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por