Entrar
Perfil
PRÊMIO NACIONAL

O sabor da conquista: conheça a história de tia Gê, merendeira de Mogi premiada

Da cidade, ela recebeu prêmio nacional após participar do reality show “Merendeiras do Brasil”, em Brasília

O Diário
16/07/2022 às 07:22.
Atualizado em 16/07/2022 às 07:22

Geralda de Oliveira Leite Silvano ou tia Gê, representante mogiana em reality show, sempre quis ser merendeira e diz que há muitos profissionais, no País, que sabem que ‘a criança necessita do carinho e do alimento’ (Divulgação/PMMC)

Olá, quer continuar navegando no site de forma ilimitada?

E ainda ter acesso ao jornal digital flip e contar com outros benefícios, como o Clube Diário?

Já é assinante O Diário Exclusivo?
PRÊMIO NACIONAL

O sabor da conquista: conheça a história de tia Gê, merendeira de Mogi premiada

Da cidade, ela recebeu prêmio nacional após participar do reality show “Merendeiras do Brasil”, em Brasília

O Diário
16/07/2022 às 07:22.
Atualizado em 16/07/2022 às 07:22

Geralda de Oliveira Leite Silvano ou tia Gê, representante mogiana em reality show, sempre quis ser merendeira e diz que há muitos profissionais, no País, que sabem que ‘a criança necessita do carinho e do alimento’ (Divulgação/PMMC)

Após uma trajetória de sucesso no reality show “Merendeiras do Brasil”, a auxiliar de desenvolvimento de educação Geralda de Oliveira Leite Silvano, a tia Gê, conquistou o quarto lugar no programa, realizado pelo Fundo Nacional deDesenvolvimento da Educação (FNDE). A premiação foi entregue no auditório do Ministério da Educação em Brasília (DF). 

Mogiana, ela conta que sempre quis ser merendeira e teve a opotunidade de encontrar outras brasileiras como ela, que amam a profissão, considerada uma das bases para o funcionamento de uma comunidade escolar.

Nascida em Mogi das Cruzes, Geralda trabalha há 16 anos na Secretaria de Educação; destes, 15 anos na EM Profª Florisa Faustino Pinto, no Oropó. “Para mim foi uma honra muito grande participar do reality, nem sei expressar o tamanho da minha gratidão. Não consigo nem mensurar a honra de representar Mogi, a cidade que eu amo, onde nasci e cresci e o mais incrível, representar o Estado inteiro”, disse. 

Para a profissional, em comum entre todas as participantes está o amor pela profissão. “Eu não escolhi ser merendeira, eu quis ser merendeira. Vejo que não estou sozinha nessa jornada, tem muitas que fazem por amor mesmo e pela criança. Como é bom saber que no Brasil inteiro há pessoas que gostam de trabalhar na merenda escolar, sabem que a criança necessita deste carinho e do alimento”, disse. Em Mogi, ela é responsável junto à equipe da cozinha da unidade escolar, pela alimentação de mais de 700 alunos. 

“É um grande orgulho para nossa cidade. A tia Gê nos representou de forma brilhante, valorizando nossos profissionais que proporcionam todos os dias uma alimentação de qualidade em forma de carinho para as crianças da rede municipal’”, disse a secretária de Educação, Patricia Helen Gomes dos Santos.

Destaque mogiano

Mogi das Cruzes foi convidada a participar da competição devido ao seu destaque no PNAE (Programa Nacional de Alimentação Escolar). A cidade, que representou o Estado de São Paulo na competição, investiu 46,6% no programa, superando os 30% determinados na legislação. 

A mogiana fez parte de um grupo de 15 merendeiras de diferentes regiões do Brasil selecionadas para participar do programa e representar as mais de 300 mil merendeiras brasileiras. 

O programa, exibido em rede nacional, começou a ser transmitido no início de maio e terminou em junho. Tia Gê foi para a final com as representantes de Maravilha, em Santa Catarina; Capitão Leônidas Marques, no Paraná; Lucena, na Paraíba; e Itati, no Rio Grande do Sul.

A dedicação da profissional foi reconhecida também entre as merendeiras de Mogi das Cruzes, que escolheram seu nome para representar a merenda da cidade. Na escola em que ela trabalha, a torcida foi grande entre os alunos, a equipe e toda a comunidade escolar. A Câmara Municipal também homenageou a merendeira com uma moção de aplausos por sua participação no programa.

Em Brasília, mogiana foi acompanhada pela nutricionista do Departamento de Alimentação Escolar (DAE), Bruna Mariana Braga. A profissional participou da solenidade junto ao presidente do FNDE, Marcelo Lopes da Ponte, ao coordenadora-geral do PNAE (Programa Nacional de Alimentação Escolar), Karine Silva dos Santos e o reitor da Unilab (Universidade Integração Internacional da Lusofonia Afro-brasileira), instituição de ensino superior responsável pela execução do programa, Roque do Nascimento Albuquerque.

Quem são:
635 profissionais cuidam da merenda mogiana

A merenda servida na rede municipal é feita por 635 profissionais que atuam na cozinha das escolas municipais e creches subvencionadas .

Deste total, 376 são auxiliares de Desenvolvimento da Educação, como a Tia Gê.
No total, esse grupo  serve 150.649 refeições/dia (referência junho/2022) a um contingente de 47.160 estudantes. No segundo semestre, uma novidade neste setor, reconhecido pela excelência de formação e qualidade dos alimentos,  serão as hortas escolares.

O sucesso de Tia Gê, a merendeira que representou Mogi 

No final de semana, a notícia com um maior número de comentários e audiência do site de O Diário surgiu de um post da Prefeitura de Mogi, sobre a entrega de um prêmio recebido pela auxiliar de desenvolvimento de Educação, Geralda de Oliveira Leite Silva, a Tia Gê, pelo quarto lugar obtido na disputa Merendeiras do Brasil, realizado pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, do Ministério da Educação.

Tia Gê esteve ao lado de outras merendeiras brasileiras em um reality show que reuniu 15 profissionais de diversas regiões deste Brasil, país que tem  como é sabido, a merenda como um dos gatilhos para combater a pobreza e atrair o aluno para dentro da escola. O prato de comida, o suco ou a fruta servida na cantina são ferramentas para o combate à desigualdade social e do desenvolvimento escolar aceleradas nos últimos dois anos por causa da pandemia.

O reconhecimento, em forma de elogios no site, faz parte do que governo algum consegue fazer por mais que se esforçasse sem um olhar adequado para a base, o funcionalismo público. Os aplausos se devem ao fato de as merendeiras terem um papel de ponta na construção de uma escola mais humana, sociável e agradável para fidelizar o estudante no ambiente de ensino.

Conteúdo de marcaVantagens de ser um assinanteVeicule sua marca conosco
O Diário de Mogi© Copyright 2022É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por