MENU
BUSCAR
GERANDO FALCÕES

Educação, qualidade de vida e economia circular: os principais projetos da Gerando Falcões

Conheça e saiba como participar dos três projetos mais importantes da ONG Gerando Falcões neste momento: ‘Falcons University’, ‘Favela 3D’ e ‘Bazares’

Heitor HerrusoPublicado em 29/12/2021 às 15:42Atualizado há 26 dias
Divulgação - Isabella Valente
Divulgação - Isabella Valente

Sob o guarda-chuva da ONG Gerando Falcões, criada em 2011, em Poá, e que atende atualmente 1.550 comunidades em 23 estados brasileiros, há, sem dúvida, muitos projetos, ações e atividades. Mas três pilares se destacam no cenário atual: ‘Falcons University’, ‘Favela 3D’ e ‘Bazares’.

Aqui o leitor encontrará um resumo de cada uma dessas iniciativas, fruto do trabalho de um movimento iniciado em 2011 e que hoje atende mais de 205 mil pessoas em todo o país. 

O primeiro deles, ‘Falcons University’, é a “universidade da favela para a favela”, que trabalha os 10 pilares do BNCC (Banco Nacional Comum Curricular), tendo como alicerce o “desenvolvimento de habilidades socioemocionais”. 

LEIA TAMBÉM: Alto Tietê é o laboratório da ONG Gerando Falcões, que atende todo o Brasil

Por meio do “método ativo de ensino, aprendizagem e uso de tecnologia”, a ONG está “desenvolvendo crianças, jovens, educadores e lideranças para romperem o ciclo da pobreza intelectual, emocional e técnica”. 

Já o ‘Favela 3D (Digna, Digital e Desenvolvida)’ é um “projeto único, inovador e revolucionário” que consiste em reestruturar comunidades para promover uma “transformação completa, focada na melhoria da qualidade de vida de seus moradores”. O próximo endereço a ser contemplado é a Boca do Sapo, em Ferraz de Vasconcelos.

De acordo com a organização, são focos desta ação “a moradia digna, acesso à saúde, direito à educação, cidadania e cultura de paz, primeira infância, autonomia da mulher, geração de renda e cultura, esporte e lazer”.

Isso tudo não acontece em um passe de mágica. Para “interromper o ciclo de pobreza na favela” é preciso unir “poder público, comunidade local, setor privado, universidades e organizações do terceiro setor.

Faz parte deste escopo o que vem sendo chamado de “Favela Marte”, espécie de “laboratório de prototipagem de soluções de combate à pobreza, que vai influenciar o Brasil na construção de soluções reais para territórios vulneráveis. Essa construção está sendo produzida com a prefeitura, o governo do Estado, o Instituto As Valquírias e, “sobretudo, com a população do local” que “possui cerca de 250 famílias e as intervenções têm prazo previsto estimado em três anos para serem implementadas por completo”.

Há, ainda, os ‘Bazares’, de roupas e móveis, que funcionam como base do conceito de economia circular. ou seja, todos os produtos - novos e usados - doados à ONG, são colocados à venda por valores até 70% mais baratos, oferecendo, assim, acesso a bens de consumo para população de baixa renda. E o valor arrecadado com as vendas é reinvestido em programas de transformação nas periferias e favelas.

Estes espaços funcionam como uma escola para os jovens das favelas atendidos pela Gerando Falcões, como Eric Iria, de 17 anos. Após passarem por um treinamento socioemocional de seis meses, com atividades relacionadas à dinâmica de trabalho do bazar, eles recebem uma ajuda de custo e atuam para aprender sobre trabalho em equipe, empreendedorismo, assertividade, entre outros temas fundamentais no mundo contemporâneo. 

No último mês de agosto, a instituição inaugurou a extensão de sua loja em Poá, com um espaço exclusivo para comercialização de móveis, eletrodomésticos e eletroportáteis. 

Doações de roupas, calçados, móveis, eletrodomésticos, eletrônicos e outros produtos em bom estado podem ser combinadas pelo e-mail bazar@gerandofalcoes.com ou pelo telefone (11) 3426-9800. As doações são retiradas pela própria ONG em São Paulo ou Grande São Paulo, após agendamento.  

LEIA TAMBÉM: Histórias inspiradoras constroem ONG que começou em Poá e atua em todo o Brasil

 ‘Fome Não’

É claro que outras tantas ações compõem o portfólio da Gerando Falcões. Uma delas, que vale ser mencionada, é a campanha ‘Corona no Paredão, Fome Não’, que entre 2020 e 2021 arrecadou recursos para ajudar os mais afetados pela pandemia. 

Ao todo, R$ 95 milhões foram arrecadados para a compra de itens básicos, como alimentos e itens de higiene pessoal, e mais de 1,5 milhão de pessoas foram alimentadas até o momento. As doações ainda podem ser feitas no site https://site.gerandofalcoes.com/coronanoparedao.

Quem participa pode acessar, no site do grupo, relatórios de transparência com as atividades realizadas e auditorias das demonstrações financeiras. Entre os números disponíveis na internet, está o dado de que “a cada R$ 1 investido nas Oficinas de Esporte e Cultura e no Programa de Qualificação Profissional, houve um retorno social de R$ 3,50 em benefícios para a sociedade”.

LEIA TAMBÉM: Projeto de O Diário prevê boas notícias durante o ano todo