Entrar
Perfil
INFORMAÇÃO

Valtra ganha isenções e promete investimento na unidade de Mogi

Grupo Agco do Brasil é incluído no Programa Mogiano de Investimentos e Geração de Empregos (Promae) e deve garantir a aplicação de R$ 50 milhões e criação de 125 empregos na fábrica da Valtra.

Darwin Valente
27/12/2022 às 07:10.
Atualizado em 27/12/2022 às 08:00

Prefeito Caio Cunha é recebido por diretores da fábrica de tratores Valtra, juntamente com o secretário de Desenvolvimento Econômico e Inovação, Pedro Komura (Foto: divulgação / Alexandre Salti)

O Grupo Agco do Brasil Soluções Agrícolas Ltda, que possui entre suas subsidiárias a Valtra, fábrica de tratores com sede no distrito de Braz Cubas, em Mogi, foi incluída no Programa Mogiano de Investimentos e Geração de Empregos (Promae), que lhe concederá benefícios fiscais e tributários pelo prazo de dez anos, a contar do início de 2023, em contrapartida por investimentos programados para os próximos anos na cidade.

Conforme certificação assinada na última sexta-feira (23), a empresa receberá isenção do IPTU do imóvel onde se encontra a sua unidade, em Braz Cubas; redução da alíquota do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN) que incida sobre as atividades próprias da respectiva empresa, para 2%; isenção das taxas devidas pela aprovação de projetos de construção civil da empresa; e isenção da Taxa de Fiscalização e Instalação de funcionamento da respectiva empresa, além do Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis (ITBI) do imóvel onde se encontra a unidade da respectiva empresa.

“A empresa foi qualificada para isso após ter sua análise documental aprovada pelo Grupo Executivo de Incentivos Fiscais (GEIF), que é composto pelos nossos secretários municipais de Desenvolvimento Econômico e Inovação, de Finanças e de Planejamento e Urbanismo”, disse o prefeito Caio Cunha (PODE) em uma rede social, lembrando ainda que “o contrato firma um investimento de R$ 50 milhões por parte da empresa Agco, para os exercícios de 2022 até 2024. Além disso, o contrato também conta com a geração mínima de 125 empregos, sendo que 51% dos futuros contratados devem ser de residentes e domiciliados em Mogi das Cruzes”, disse o prefeito.

A unidade da Valtra em Mogi está passando por uma grande reforma para abrigar um centro de tecnologia voltado para a qualificação ainda maior da produção das máquinas agrícolas na fábrica de Mogi, com ajuda de equipamentos de última geração destinados ao desenvolvimento de testes mais rígidos em seus produtos.

O prefeito Caio Cunha (PODE) e o secretário Pedro Komura, de Desenvolvimento Econômico e Inovação, estiveram  visitando a unidade da fábrica de tratores, em Braz Cubas, no último final de semana, quando receberam informações importantes da diretora de Assuntos Governamentais do Grupo Agco, Ana Helena de Andrade.

A certificação junto ao Promae vai permitir que a empresa conclua a aquisição da área que abrigou a antiga fábrica de linhas de costura Gutermann, localizada nas proximidades da unidade de Braz Cubas e que deverá ser utilizada para o desenvolvimento de novos produtos do Grupo Agco.

O prefeito Caio Cunha recebeu ainda um trator Valtra, em nome da Prefeitura, a título de compensação ambiental.

 Mudança de planos

Com a indicação da vereador Sonaira Fernandes (Republicanos), ex-assessora de Jair e Eduardo Bolsonaro, para comandar a Secretaria da Mulher no futuro governo de Tarcísio de Freitas (Republicanos), houve mudança nos planos futuros de atuação do mogiano Silvério Nobre. 

O assessor da vereadora, que deveria deixar o cargo para atuar ao lado do atual deputado federal e pastor evangélico Roberto de Lucena (Republicanos), na Secretaria de Turismo, vai continuar ao lado da antiga chefe, depois que ela assumir o novo cargo, no início do próximo ano.

 Silvério ficará encarregado de fazer interlocução com as prefeituras do Estado em nome da secretária da Mulher.

 Cotado para o Iamspe

Anotem para conferir: o médico Marcelo Oliveira, morador de Mogi e amigo da família de Jair Bolsonaro, que esteve do lado dele durante todo o processo de recuperação da facada que recebeu em Juiz de Fora (MG), durante a sua primeira e vitoriosa campanha presidencial, continua cotado para assumir a presidência do Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual de São Paulo (Iamspe).

 Ele pode ter seu nome anunciado a qualquer momento pelo governador eleito Tarcísio de Freitas, garantem fontes bem informadas.

 Para a Justiça

A notícia de que o governador Tarcísio pretende transformar a atual Secretaria de Estado dos Direitos das Pessoas Com Deficiência em uma coordenaria vinculada à Secretaria de Justiça, decepcionou por completo os deficientes e suas entidades representativas.  

Eles veem a medida como um retrocesso no trato das questões relativas a um segmento muito carente de políticas públicas e de respeito aos seus direitos. 

As entidades representativas do grupo esperam um decreto do governador extinguindo a Secretaria para irem reclamar na Justiça. 

Criada por uma lei aprovada pela Assembleia Legislativa, a pasta somente pode ser extinta por outra lei. 

Ou seja, o desmonte terá de ser submetido novamente à apreciação da Alesp, que até por coerência, deve rejeitar a ideia de Tarcísio.

 Reformas, já (1)

Apesar de afirmar, numa entrevista ao Estadão, que “o custo Brasil nunca impediu o Grupo Simpar (antigo JSL) de crescer” o empresário mogiano Fernando Simões defendeu a reforma tributária como grande aspiração dos empresários em relação ao futuro governo de Lula (PT).

 Segundo ele, não se trata de pagar menos ou mais impostos. “Queremos uma simplificação, uma revisão do sistema tributário. Quando simplifica, é melhor para quem paga e fica mais fácil para o governo cobrar de quem não paga.”. 

Para o CEO do Grupo Simpar, “a melhor maneira de contribuir para a redução da desigualdade social  é pela geração de empregos e de investimentos, e isso só é possível num país que tenha um modelo tributário claro e fácil, que tenha controle de despesas e cuide do meio ambiente”

 Reformas, já (2)

O empresário também defendeu um programa de renovação de frota, que não significa dar subsídio ou juro barato para comprar caminhão novo, mas retirar os velhos das ruas. 

A idade média da frota brasileira hoje é de 20 anos, o que significa, na opinião dele, que há caminhões rodando com mais de 40 anos. 

“Todos os países desenvolvidos criaram  um processo de comprar o caminhão velho e sucatear. Isso contribui com o meio ambiente, reduz a poluição, melhora a saúde e a segurança das pessoas. Esse tema é discutido há vários anos, mas nunca andou”, garantiu.

 Reformas, já (3)

Questionado se o conglomerado empresarial que ele representa continuará sendo um grupo familiar, Fernando foi cirúrgico: 

“O grupo é de origem familiar. Acreditamos muito num grupo com controle definido, mas totalmente profissionalizado. Significa que não necessariamente a sucessão será feita pela minha família”. 

Fernando falou do processo de internacionalização do grupo, com início de atuação na África e Portugal, mas foi cauteloso ao extremo: 

“Não vamos fazer nenhum movimento internacional que comprometa nosso desenvolvimento no Brasil”, disse. 

Os acionistas aplaudiram...

 Luto

Será sepultado nesta terça-feira (27),  às 14 horas, no Cemitério São Salvador, em Mogi das Cruzes, o corpo do advogado e ex-vereador Miguel Sanchez, 79 anos, que faleceu nesta segunda (26), no Hospital Ipiranga, vítima de uma pneumonia agravada pelo mal de Alzheimer, que ele vinha enfrentando nos últimos anos. 

O velório de Sanchez terá início às 8 horas, no Velório Cristo Redentor. 

Ele deixa a esposa Hedina e os filhos Frederico e Jaqueline.

Antes de atuar como advogado, Sanchez foi funcionário da Huber Warco, antiga fábrica de máquinas de terraplenagem, localizada no distrito de César de Souza.

Ainda na empresa, ele denunciou a diretoria à matriz dos Estados Unidos, por meio de carta, onde apontava uma série de supostas irregularidades envolvendo a direção da unidade mogiana. 

O caso teve grande repercussão à época.

Em 1982, candidatou-se a vereador pelo MDB e foi eleito junto com outro emedebista, o prefeito Antonio Carlos Machado Teixeira.

Na Câmara, ele participou das investigações do Escândalo do Mogigate, uma denúncia de corrupção envolvendo políticos da cidade e um empresário de ônibus da Capital, Clóvis Beznos, que gravou conversas envolvendo tentativas de extorsão sofridas em Mogi das Cruzes e as entregou à Polícia e à Assembleia Legislativa.

Permaneceu na Câmara apenas durante o mandato que começou em fevereiro de 1983 até dezembro de 1988, por conta de uma prorrogação de dois anos, determinada pelo governo militar da época.

 Não conseguiu se reeleger e abandonou a política.

Associado há muito tempo do Clube Náutico Mogiano, do qual era vizinho,  chegou a concorrer a presidente contra o eterno mandatário da associação, Carlos Augusto Ferreira Alves, o Carlito. 

Nos últimos tempos, fez parte do Conselho Fiscal do Náutico, como lembra o atual presidente, vereador Marcos Furlan (PODE).

Como advogado, atuou durante muito tempo junto ao Fórum da Comarca de Mogi, até que há nove anos passou a sofrer os primeiros sinais da doença que o afastou de suas atividades profissionais e acabou por levá-lo à morte.

Conteúdo de marcaVantagens de ser um assinanteVeicule sua marca conosco
O Diário de Mogi© Copyright 2023É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por