MENU
BUSCAR
INFORMAÇÃO

Prévias frustradas de domingo derrotam o PSDB

Partido se desgasta por não ter conseguido indicar o seu candidato a presidente da República na votação que não aconteceu no último domingo

Darwin ValentePublicado em 22/11/2021 às 17:53Atualizado há 7 dias
Reprodução - Freepik
Reprodução - Freepik

Marcadas para o último domingo (21), as prévias que deveriam escolher o candidato do PSDB a presidente da República simplesmente não aconteceram. 

Um aplicativo desenvolvido pelo próprio partido para permitir a votação em todo o País apresentou problemas que, aliás, já eram previsíveis para a maioria dos envolvidos mais diretamente com o processo. 

Mas mesmo assim, insistiu-se no uso do componente eletrônico que tornou-se o pivô do grande vexame protagonizado pelo partido que não conseguiu indicar um vencedor entre os três candidatos concorrentes – João Doria (SP), Eduardo Leite (RS), e Arthur Virgilio Neto (AM), mas acabou sendo o grande derrotado do domingo.

A legenda que tentava se firmar como exemplo de democracia interna, buscando escolher, no voto,  o nome que poderia ser caracterizado como a terceira via da eleição, uma opção a Lula (PT) e a Bolsonaro (sem partido), terminou o domingo com a imagem ainda mais desgastada.

Afinal, não conseguiu demonstrar capacidade sequer para organizar suas próprias prévias, abrindo um perigoso flanco para seus adversários que ontem já batiam na inevitável questão: como um partido que não consegue realizar uma simples prévia eleitoral entre seus filiados, vai querer governar e resolver os problemas de um País tão grande quanto o Brasil?

Embora o discurso, provocativo ao extremo, possa ser avaliado como uma maldade de adversários, como explicar tamanho erro de um partido que já conseguiu chegar, por duas vezes, à presidência da República?

De um extremo a outro do País, ficou evidente a frustração dos partidários do PSDB tentando, sem sucesso, se conectar ao aplicativo da eleição, que não conseguiu ser acessado pela grande maioria do tucanato.

Houve quem dissesse que o ex-juiz Sérgio Moro teria sido o grande beneficiado pela fragilidade demonstrada por um partido onde muitos integrantes parecem  ter se esquecido de suas bandeiras do passado para se alinharem às políticas do Centrão e do presidente Jair Bolsonaro.

Para observadores mais atentos, o derretimento do PSDB vai permitindo a Moro ampliar seus espaços junto à centro-direita, pensando na virtual candidatura.

Há também quem veja dificuldades quase intransponíveis para se imaginar como terminarão as prévias tucanas. 

A lacuna entre partidários de Doria e Leite vai se abrindo cada vez mais, tornando cada dia mais difícil  uma reconciliação que que parecia encaminhada numa rodada de chimarrão  entre os dois, no último final de semana, no Palácio Piratini, no Rio Grande do Sul.

Durante as prévias frustradas, versão tucana do filme “Férias Frustradas”, de 1975, onde nada dava certo para o casal vivido por Ed Helms e Christina Applegate e dirigido por John Francis Daley e Jonathan Goldstein.

No caso do PSDB, os personagens são outros e em maior número, mas as trapalhadas se equivalem.  

E como em todo espetáculo que ganha repercussão,  vem aí a segunda versão para as prévias  tucanas que, agora - espera-se, pelo menos - consigam cumprir realmente seus objetivos.  

Quanto à unidade do partido, como diz o presidente municipal e ex-prefeito Marcus Melo, terá de se avaliada após as acomodações  naturais  do pós-prévias.

ÚLTIMAS DE Informação