MENU
BUSCAR
INFORMAÇÃO

Incorporadora da família Simões tem projeto para antiga área do Demapo

Empresa Ribeira prevê a implantação de 28 torres na área de 67 mil m², localizada junto à avenida Yositeru Onishi, no bairro do Mogilar

Darwin ValentePublicado em 14/09/2021 às 15:20Atualizado há 14 dias
Arquivo O Diário
Arquivo O Diário

A incorporadora Ribeira, que pertence a integrantes da família de Julio Simões, sem estar vinculada a qualquer  uma das empresas do grupo, deverá anunciar, até o final desse ano o seu maior e mais ousado empreendimento imobiliário na cidade. 

Trata-se de um projeto para ocupação da antiga área do Depósito Municipal, proximidades da avenida Yoshiteru Onishi, no Mogilar, com cerca de  67 mil m². 

Programado para ser desenvolvido em 14 fases, o projeto prevê a implantação de 28 torres comerciais e residenciais, adotando as premissas do Plano Diretor, com fruição pública e fachada ativa.  

A obra  começa pelos fundos do terreno, próximo ao Condomínio Spazio Mondrian (MRV), avançando em direção da avenida Francisco Rodrigues Filho, proximidades do Terminal Rodoviário Geraldo Scavone.

 Depois de pronto, o empreendimento promete mudar radicalmente - para melhor -  aquele  acesso para a cidade.

 De portas abertas

Após quase um ano e meio realizando sessões sem público, com uma parte dos vereadores presentes e os demais por videoconferência, por conta das restrições impostas pelo Plano São Paulo para conter o avanço da pandemia, a Câmara de Mogi já está de volta às atividades quase normais, mesmo exigindo o uso de máscaras e a manutenção do distanciamento social  entre as mesas do plenário.

Com o retorno à ativa dos vereadores, o público, ainda que em número mais restrito - 50% dos 116 lugares -, voltou a ter acesso às galerias do plenário.

O retorno acontece antes mesmo da colocação das barreiras de vidro  que deverão isolar, em definitivo, os visitantes do local onde ficam os vereadores durante as sessões legislativas.

 Reversão em estudos

O prefeito Caio Cunha (PODE) considerou “interessante”, a proposta do leitor desta coluna, Elias Tomé da Silva Pires, que sugeriu a implantação de faixas reversíveis de trânsito para tentar minimizar os problemas de congestionamentos nas avenidas que fazem a ligação entre o distrito de César de Souza e a região do centro da cidade de Mogi das Cruzes.  Logo pela manhã, o prefeito mostrou a coluna com a sugestão do leitor  à  secretária  de Transportes, a arquiteta e urbanista  Cristiane Ayres, solicitando que fosse feito um estudo para avaliar a viabilidade  e os possíveis efeitos da proposta no trânsito das avenidas Francisco Rodrigues Filho e João XXIII, principais caminhos  de César.

Caio vê a solução como paliativa e diz que gostaria de adotar soluções concretas e definitivas para o problema, o que poderá vir com o projeto Viva Mogi!.

  

ÚLTIMAS DE Informação