MENU
BUSCAR
INFORMAÇÃO

Ex-prefeiturável mogiano produz fake news pró-Bolsonaro

Grupo "Comprova", especializado na avaliação de notícias de cunho duvidoso, mostra como o vídeo de Felipe Lintz era montagem desprovida de fundamento

Darwin ValentePublicado em 14/07/2021 às 17:07Atualizado há 14 dias
Foto Arquivo O Diário
Foto Arquivo O Diário

COLUNA INFORMAÇÃO

As ações do ex-candidato a prefeito de Mogi, Felipe Lintz, como integrante da tropa de choque bolsonarista que age nas redes sociais, continuam a todo vapor na produção fake news, constantemente denunciadas por sistema de checagens de veículos de imprensa.

O mais recente desmentido mostrou ser falso que urnas brasileiras tenham sido hackeadas durante uma conferência hacker nos Estados Unidos e que isso comprovaria falhas no sistema eleitoral utilizado no Brasil. Lintz, que é apontado como autor do vídeo postado no YouTube e Facebook, tirou do contexto parte de um programa “Estúdio i”, da GloboNews para tentar, sem sucesso, justificar os ataques do presidente Bolsonaro às urnas eletrônicas brasileiras.

No programa, levado ao ar em 2017, uma reportagem mostra o advogado e diretor científico do Instituto de Tecnologia e Sociedade do Rio (ITS Rio), Ronaldo Lemos, comentando o resultado do trabalho de hackers durante a DEF CON 2017, maior conferência hacker do mundo, que, naquele ano, avaliou a segurança de urnas eletrônicas usadas nos Estados Unidos.

“Como explicitado na fala do especialista, e ao contrário do que afirma o autor do vídeo, Felipe Lintz, os equipamentos testados não são os mesmos usados no processo eleitoral brasileiro. Em artigo recente, o próprio Ronaldo Lemos contesta o uso de sua fala na ocasião, que vem sendo utilizada fora de contexto para desinformar a respeito do processo eleitoral brasileiro”, afirma o grupo Comprova, especializado em análise de vídeos de origem duvidosa, postados em redes sociais.

Segundo o Comprova, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) reafirmou, em uma nota publicada em 2017, que as vulnerabilidades encontradas nos equipamentos americanos foram em conexão com a internet ou em tecnologias que não são usadas nas urnas eletrônicas brasileiras.

O Comprova também tentou contato com Lintz pelo e-mail fornecido na descrição da página “O jacaré de tanga”, no YouTube, mas alegou não ter recebido retorno. 

Numa reportagem publicada em veículos que mantêm o Comprova, são detalhados os caminhos utilizados para desmontar a falsa postagem.

A  reportagem traça ainda um perfil de quem seria o responsável pelo vídeo:

“O homem que aparece no vídeo fazendo críticas em relação às urnas eletrônicas se chama Felipe Lintz. Ele foi candidato a prefeito de Mogi das Cruzes, em São Paulo, pelo PRTB. Terminou a eleição em quarto lugar, com 16.971 votos. De acordo com o sistema de divulgação de Candidaturas e Contas Eleitorais (DivulgaCandContas) do TSE, ele tem 26 anos e não há registro de que tenha disputado eleições anteriores. Ele também não declarou sua ocupação à Justiça Eleitoral."

Diz ainda que "o Comprova enviou e-mail para o endereço de contato disponível na página no dia 9 de julho, uma sexta-feira. Na segunda, dia 12, o vídeo não estava mais disponível para o público no YouTube e não era mais possível encontrá-lo na página do Facebook.”

ÚLTIMAS DE Informação