Entrar
Perfil
INFORMAÇÃO

Em Suzano, homem cai no conto do túmulo em Cemitério. Veja como foi

Depois de pagar pelo túmulo em área do cemitério suzanense, o homem descobriu que havia pelo menos três pessoas lá sepultadas.

DARWIN VALENTE
01/05/2022 às 16:30.
Atualizado em 01/05/2022 às 16:50

Francisco Quadra Andrez, o Ticão, um dos personagens da história da venda de um túmulo no Cemitério São Sebastião, na cidade de Suzano (Arquivo Ariovaldo Pereira Nunes) (Arquivo Ariovaldo Pereira Nunes)

Olá, quer continuar navegando no site de forma ilimitada?

E ainda ter acesso ao jornal digital flip e contar com outros benefícios, como o Clube Diário?

Já é assinante O Diário Exclusivo?
INFORMAÇÃO

Em Suzano, homem cai no conto do túmulo em Cemitério. Veja como foi

Depois de pagar pelo túmulo em área do cemitério suzanense, o homem descobriu que havia pelo menos três pessoas lá sepultadas.

DARWIN VALENTE
01/05/2022 às 16:30.
Atualizado em 01/05/2022 às 16:50

Francisco Quadra Andrez, o Ticão, um dos personagens da história da venda de um túmulo no Cemitério São Sebastião, na cidade de Suzano (Arquivo Ariovaldo Pereira Nunes) (Arquivo Ariovaldo Pereira Nunes)

Francisco Quadra Andrez, o ‘Ticão’, conta que certo dia encontrou o amigo Bernardo com cara de triste. 
Precisava de dinheiro e queria vender um túmulo que adquirira no Cemitério São Sebastião, o maior de Suzano. 
Condoído com a história, ‘Ticão’ não teve dificuldade em passar adiante o imóvel para Alcides, seu vizinho de prédio. 
Negócio fechado, o comprador foi até o local indicado, no cemitério, e qual não foi a sua grande e inesperada surpresa: descobriu que no espaço, havia pelo menos três pessoas ali sepultadas. Junto com ‘Ticão’, ele foi atrás do Bernardo, que comemorava a venda, cheio de cana, num buteco da cidade.
Levaram-no ao Cemitério e exigiram explicações.
Para se equilibrar, Bernardo apoiou-se no comprador, olhou para o chão, balançou a cabeça e balbuciou: 
“Alcides, com certeza, são invasores...”

O comunismo, sempre ele...
Em junho de 1976, dois meses antes de morrer, o ex-presidente Juscelino Kubitscheck visitou Vivaldi Moreira, presidente da Academia Mineira de Letras, seu grande amigo. 
Pedro, filho do anfitrião e jornalista, estava lendo o jornal. 
JK chega perto e questiona: 
“O que o ‘Jornal do Brasil’ está contando?”
 “O Armando Falcão, falando no Congresso Mundial Anticomunista, disse que o comunismo é a lepra vermelha que assola todo o mundo”. Juscelino Kubitscheck rebate, de pronto: 
“Não é nada disso, Pedro. O Falcão não é médico, não tem condição de fazer um diagnóstico correto. Como médico e urologista, eu posso diagnosticar. O comunismo, na verdade, não é lepra. Na ilegalidade, não passa de uma blenorragia mal curada: vai e volta, vai e volta”. 

Aí fica bem mais difícil
O veterano Argêu Batalha contava que, certa vez, um conhecido cabo eleitoral do bucólico distrito de Taiaçupeba, pediu emprego para seu filho, na Prefeitura. 
Buscando testar o nível do candidato, o prefeito da época (Argêu nunca dizia o nome) fez algumas perguntas ao jovem para testar sua capacidade e eficiência. 
Por fim, disse ao amigo que o jovem iria trabalhar em seu gabinete. 
Muito sincero, o chefe político lembrou que o menino não tinha preparo. 
Só dava mesmo para contínuo. 
O prefeito insistiu que ele seria assistente de gabinete. 
E antes que o pai viesse com outro argumento, encerrou a conversa: 
“Para contínuo, meu amigo, existe concurso... e no concurso, seu filho não passa.”
 

Conteúdo de marcaVantagens de ser um assinanteVeicule sua marca conoscoConteúdo de marcaConteúdo de marca
Copyright © - 2022 - O Diário de MogiÉ proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Desenvolvido por
Distribuído por