Entrar
Perfil
INFORMAÇÃO

Deputado Clodovil Hernandes demonstra ingratidão com eleitores

Políticos do Vale do Ribeira que trabalharam pela eleição do estilista não foram sequer ouvidos na visita ao gabinete, em Brasília

Darwin Valente
06/02/2022 às 15:55.
Atualizado em 06/02/2022 às 15:55

(Divulgação - Alesp)

Olá, quer continuar navegando no site de forma ilimitada?

E ainda ter acesso ao jornal digital flip e contar com outros benefícios, como o Clube Diário?

Já é assinante O Diário Exclusivo?
INFORMAÇÃO

Deputado Clodovil Hernandes demonstra ingratidão com eleitores

Políticos do Vale do Ribeira que trabalharam pela eleição do estilista não foram sequer ouvidos na visita ao gabinete, em Brasília

Darwin Valente
06/02/2022 às 15:55.
Atualizado em 06/02/2022 às 15:55

(Divulgação - Alesp)

O leitor Joel Avelino Ribeiro conta que o prefeito e alguns  vereadores de uma cidadezinha dos confins do Vale do Ribeira decidiram fazer campanha para o então candidato a deputado federal Clodovil Hernandes, o famosos estilista que se elegeu  com grande facilidade. 

Os políticos acharam que era o momento da cobrança. 

Carregando...

Foram ao gabinete do deputado, em Brasília, e lhe disseram que graças ao trabalho deles, o candidato havia alcançado mais de 70% dos votos de lá. 
E que, por isso mesmo, desejavam fazer algumas reivindicações, ao que o parlamentar respondeu, bem a seu modo: 

“Eu , por acaso, fui em sua cidade? Pedi votos a alguém de lá? Isso é problema de vocês!” Decepcionados com a acolhida, os políticos voltaram e resolveram contar a verdade aos eleitores, pela vergonha que passaram...

Devagar para não matar
Não será surpresa, se na  próxima campanha eleitoral alguém tiver de utilizar argumento semelhante ao que José Maria Alkimin, célebre político mineiro usou, muito tempos atrás, quando foi questionado sobre o agravamento da crise econômica, com os preços subindo assustadoramente,  desemprego aumentando e outras desgraças. 
Buscando amenizar a situação para o lado governista, onde sempre costumava estar, ele  disse: 

“Calma gente, a crise não atacará de forma tão  violenta assim. Cada um vai vivenciá-la de modo diferente. Se durar seis meses, passaremos boa parte desse tempo  dormindo. Noutras vezes, comendo. Um bom espaço do tempo será dedicado a conversas. Uma outra parte para o lazer. Depois, a crise será vivida  dia a dia, dia após dias. Suavemente...” 
Sem dúvida, um bom discurso para os governistas de plantão.

Escola para quê?
Cada um convive com a gagueira a seu modo. O prefeito Caio Cunha, por exemplo, sempre procurou se divertir com a sua. 

A ponto de denominar de Ca-Caio Cast, um podcast que chegou a fazer por algum tempo, depois de eleito.

Contam que o presidente Dutra tinha um auxiliar, oficial do Exército, que resolveu curar a gagueira.

Soube que no Méier, bairro do Rio, tinha uma escola para gagos. 
Tocou para lá. O endereço que levou não coincidia. 

Procurou pelo bairro todo e... nada. Decidiu se socorrer com o português da esquina, desses de bigode e tamanco, cara de quem desceu na praça Mauá: 

“O sesenhor popopodia me inininformar se aaaqui temtem uma escola para gagagago? E o português, demonstrando surpresa:  “Mas o senhor já fala gago tão bem, para que quer escola?”

Conteúdo de marcaVantagens de ser um assinanteVeicule sua marca conoscoConteúdo de marcaConteúdo de marca
O Diário de Mogi© Copyright 2022É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por