MENU
BUSCAR
INFORMAÇÃO

Coordenadoria de Habitação de Mogi tem novo titular

Rogério Lessa foi confirmado no cargo de coordenador de Habitação, que vinha sendo acumulado pelo ex-titular da Secretaria de Assuntos Jurídicos, advogado Sylvio Alkimin

Darwin ValentePublicado em 21/07/2021 às 17:29Atualizado há 7 dias
Foto: Reprodução- Facebook
Foto: Reprodução- Facebook

Sem um titular específico desde o início do atual governo, quando chegou a ser acumulado pelo secretário municipal de Assuntos Jurídicos, advogado Sylvio Alkimin, o cargo de coordenador municipal de Habitação ganha um novo titular.

O advogado Rogério Dirks Lessa, 47 anos, foi confirmado no cargo pela assessoria do prefeito Caio Cunha. 

Morador de Mogi das Cruzes e formado em Direito, na turma de 2007 da Universidade Braz Cubas, ele é também mestre em Direito da Sociedade da Informação. E tem experiência junto ao setor público, embora seu currículo não indique passagem por órgãos públicos de Mogi.

Rogério já atuou como assessor especial e chefe da Assessoria Técnica da Secretaria de Gestão da Prefeitura de São Paulo, assim como na coordenação do Grupo de Ação Executiva (GAE) de modernização e informatização dos procedimentos para licença de construção na cidade de São Paulo.

Lessa também trabalhou no Governo do Estado de São Paulo, como diretor técnico do programa Bom Prato, da Secretaria de Desenvolvimento Social do Estado, que coordenou no período da implantação das unidades de Itaquaquecetuba, Suzano e Ferraz de Vasconcelos, entre outras. Foi ainda assessor técnico da Superintendência no Centro Paula Souza e assessor técnico especial da Fundação para o Desenvolvimento da Educação (FDE), do Governo do Estado de São Paulo. 

Ao assumir o novo cargo, Rogério terá pela frente um dos mais complicados desafios da atual administração: conter o progressivo aumento das invasões de áreas que passaram a ocorrer com mais frequência, desde que o custo de vida tornou inviável a moradia na periferia da Capital e cidades próximas, obrigando muitas pessoas a procurarem locais mais distantes, na Grande São Paulo. 

A existência de inúmeras áreas ainda desocupadas na região periférica de Mogi tem sido um convite para os movimentos organizados de ocupações, cujos integrantes tomaram conta, por exemplo, de uma enorme área cedida pela Prefeitura a uma empresa, que não se instalou no local e acabou permitindo a invasão. O problema social está criado e sem solução a curto prazo, já que a morosidade da Justiça contribui para que isso aconteça. 

Só para se ter ideia do problema, o ex-secretário municipal de Segurança, Paulo Roberto Madureira Sales, apontava uma média de duas a três tentativas de invasões diárias, devidamente contidas pela Guarda Municipal, à época. 

Ainda não se tem um balanço da atual administração, mas é bem provável que tal número não tenha sido reduzido. Muito pelo contrário. 

Ao novo coordenador caberá ainda dar continuidade  ao processo de regularização fundiária em bairros já urbanizados, onde os moradores antigos não dispõem de títulos de propriedade, mesmo comprovadamente sendo donos de seus imóveis.  

A atual procuradora do município, advogada Dalciani Felizardo, vinha tratando disso com sucesso, quando atuou nesta área.

ÚLTIMAS DE Informação