Entrar
Perfil
INFORMAÇÃO

Ausências no 1º turno do pleito terão de ser justificadas até o 1º de dezembro sem multa

Para justificativa da abstenção é necessário apresentar documentos que comprovem o motivo alegado para a ausência no local de votação

Darwin Valente
18/10/2022 às 07:07.
Atualizado em 18/10/2022 às 10:13

Aqueles que, por algum motivo deixaram de votar, como fez a grande maioria, nas eleições de 2 de outubro, devem se apressar para justificar a ausência junto à Justiça Eleitoral, já que o prazo termina dia 1º de dezembro (Foto: arquivo / O Diário)

O Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo alerta: eleitores e eleitoras que deixaram de votar no 1º turno das eleições terão até o dia 1º de dezembro para justificar as respectivas ausências. 

Caso isso não aconteça, deverão pagar a multa, a qualquer tempo. Detalhe: essas pessoas poderão votar normalmente no 2º turno, desde que a inscrição de cada uma esteja em vigor.

Para a justificativa da ausência é preciso apresentar documentos que comprovem o motivo alegado da ausência. Por exemplo, um atestado médico, caso o motivo tenha sido problema com a saúde.

O requerimento de justificativa poderá ser encaminhado à Justiça Eleitoral por meio do e-Título ou do Sistema Justifica. Ainda é possível entregar o requerimento diretamente no cartório eleitoral, pessoalmente, ou por meio de um representante nomeado por meio de procuração.

A justificativa será submetida à análise do juiz eleitoral, que pode deferir ou negar o pedido. Dessa forma, quem não tiver meios para comprovar o motivo da ausência deve pagar multa.

No Estado de São Paulo, segundo o TRE, 21,6% do eleitorado deixou de comparecer às urnas no último dia 2 de outubro. Ainda conforme a Justiça Eleitoral, as menores abstenções foram registradas entre adultos, nas faixas etárias de 55 a 59 anos (12,03%).de 60 a 64 anos (12,2%) e entre os jovens de 18 anos (13,6%).

Já os maiores índices de abstenção entre eleitores com obrigatoriedade do voto foram registrados na faixa entre 21 e 24 anos (23,71%). Entre Entre os idosos de 70 a 74 anos e os adolescentes de 16 e 17 anos, para os quais o voto é facultativo, 41,3% e 22,6%, respectivamente, não compareceram. Em 2018 os adolescentes de 16 e 17 anos registraram abstenção de 25,7%.

 Final melancólico – 1

O último ato de uma história longa e rica em poder vai ocorrer, de maneira melancólica, na quarta-feira da próxima semana (26), em Brasília. Nesta data, na sede do pouco conhecido Edifício Ana Carolina, na Asa Norte da Capital Federal, haverá a convenção nacional que decidirá sobre a fusão do Partido Trabalhista Brasileiro com o Partido Patriota. Como resultado direto dessa união, será decidida também a extinção do PTB, partido que fez história na política nacional.

 Final melancólico – 2

Fundado no Rio de Janeiro, em 15 de março de 1945, por inspiração e iniciativa de Getúlio Vargas, o partido abrigou a estrutura político- sindical-governista durante o tempo em que o ex-presidente viveu. Sem Getúlio, que suicidou-se em 1954, com um tiro no coração, o partido ainda sobreviveu até 1965, inicialmente com João Goulart e como representantes dos ideais trabalhistas do falecido presidente, até ser sufocado, junto com os sindicatos, no início da ditadura militar. 

Foi cassado, mas entre os anos de 1979 e 1981, com os ventos da abertura e do pluripartidarismo, a sigla PTB foi alvo de uma disputa intestina entre Ivete Vargas, filha de Getúlio, e Leonel Brizola. Ivete venceu a parada e Brizola acabou fundando o PDT. 

Dali em diante os dois partidos ficaram como herdeiros da tradição trabalhista de Getúlio.

 Final melancólico – 3

Depois de Ivete, o partido passou pelas mãos de Jânio Quadros e acabou se tornando um trampolim para políticos, como Campos Machado, que recentemente perdeu o comando do partido e não conseguiu se reeleger deputado. Foi parar nas mãos de Roberto Jeferson que, impedido de concorrer às eleições passadas, acabou por lançar a esdrúxula figura de Padre Kelmon, que se transformou na grande piada do pleito.

 Final melancólico – 4

Em Mogi das Cruzes, a história não foi muito diferente. Depois de abrigar quadros como Benedito Ferreira Lopes e o professor e advogado Jair da Rocha Batalha, o partido passou pelas mãos do advogado Francisco Alves de Lima, até chegar ao controle e eleger, em 1992, a chamada “Dobradinha da Esperança”, formada por Chico Nogueira e Padre Melo. O petebista Chico morreu de infarto, ao iniciar o segundo ano de mandato e Melo, que era do PMDB, assumiu a Prefeitura. O PTB ainda sobreviveu com vereadores como Roberto Luiz dos Reis Zanetta, passou pelas mãos do advogado trabalhista Jair Araújo (um aliado de Campos Machado), chegou a abrigar o deputado Gondim Teixeira em duas passagens-relâmpago, mas foi caindo no ostracismo, a ponto de não eleger mais candidatos na cidade,  durante as últimas eleições. Também por aqui, um final melancólico, deprimente mesmo para um partido que teve grande importância na história política do País.

 Sortudo

O ex-deputado Luiz Carlos Gondim Teixeira (União) não conseguiu se eleger no 1º turno das eleições passadas, mas ganhou no Hipercap do último domingo (16). Ele foi sorteado na penúltima rodada do Giro da Sorte, que premiou, além dele, outras  19 pessoas, com R$ 1,5 mil cada, em dinheiro. Ele preencheu a cartela apenas como “Dr. Gondim”, morador do Socorro, mas foi logo reconhecido pelos espectadores do programa.

 Apelo  

Houve quem visse o dedo do presidente Valdemar Costa Neto (PL) ou do publicitário Duda Lima num vídeo que começou a circular na cidade, no início da noite de sexta-feira (14), com uma mensagem do presidente e candidato à reeleição Jair Bolsonaro (PL), dedicada exclusivamente aos eleitores de Mogi das Cruzes. 

Na gravação, há uma introdução do presidente referindo-se à cidade e, em seguida, segue um texto em que se desculpa por, algumas vezes, “não empregar as palavras certas”, o mesmo que é mostrado em sua propaganda de televisão.

 Caps – AD

A Secretaria Municipal de Saúde de Mogi das Cruzes divulgou aviso de chamamento público para selecionar a Organização Social que deverá celebrar contrato de gestão com o município visando o gerenciamento e operacionalização do Centro de Atenção Psicossocial – Álcool e Drogas (Caps – AD), serviço de teleconsulta e consultório de rua. 

O edital e anexos poderão ser obtidos no site da Prefeitura, ou diretamente na Secretaria Municipal de Educação. 

A entrega dos envelopes deverá ocorrer até as 8h30 do dia 10 de novembro, na sede da Prefeitura de Mogi, onde acontecerá a abertura dos envelopes. O Caps – AD fica na Avenida Valentina Mello Freire Mello Borenstein, na Vila São Francisco e atualmente é gerido pela Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Bernardo do Campo.

 Novos cinemas

O diretor-presidente da Agência Nacional de Cinema (Ancine), Alex Braga, juntamente com a diretoria colegiada do órgão, deliberou pelo credenciamento do projeto Cinemark – Urupema, referente ao complexo cinematográfico do futuro Patteo Urupema Shopping, que a HBR está concluindo junto à avenida Voluntário Fernando Pinheiro Franco, no centro de Mogi. 

O futuro centro de compras, ainda sem data para iniciar operações, terá quatro salas de cinema, em seu andar superior.

Conteúdo de marcaVantagens de ser um assinanteVeicule sua marca conosco
O Diário de Mogi© Copyright 2022É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por