Entrar
Perfil
ELEIÇÕES 2022

Urna eletrônica é tema que divide as opiniões dos candidatos do Alto Tietê

O Diário questionou os 26 candidatos a deputado estadual e federal sobre este e outros temas; sobre o voto eletrônico, os posicionamentos se diferenciam

Silvia Chimello
25/09/2022 às 16:15.
Atualizado em 25/09/2022 às 16:17

Voto eletrônico é motivo de polêmica nessas eleições (Divulgação/TSE)

Após a apresentação das propostas para Mogi e Alto Tietê, a pergunta feita por O Diário -agora é sobre o que os candidatos a deputados federais e estaduais pensam a respeito de um dos assuntos mais polêmicos em pauta no cenário nacional: a urna eletrônica, motivo de divergências e embates políticos desde que o presidente da República, Jair Bolsonaro (PL), candidato à reeleição, passou a atacar e desacreditar o voto eletrônico, levantando dúvidas sobre o sistema utilizado no Brasil há 26 anos. 

Esse é um tema que mexe com o imaginário das pessoas e ganha destaque na imprensa e nas redes sociais, pelas dúvidas levantadas sobre supostas fraudes e teorias conspiratórias defendidas pelo presidente, que trava uma luta de forças contra o TSE, em favor do voto aditável. 

Nos últimos meses, com os resultados desfavoráveis nas pesquisas de intenção de votos para a presidência, Bolsonaro passou a endurecer ainda mais o discurso ao dizer que o equipamento pode ser manipulado. Porém, o TSE defende com muita convicção as urnas eletrônicas e garante que a votação é segura e transparente. Alega que é bastante simples a conferência dos resultados, já que ao final da votação, o boletim com a apuração dos votos de uma seção transforma-se em documento público.  

Além disso, há diversos mecanismos de auditoria e verificação dos resultados que podem ser efetuados por candidatos, pelo Ministério Público (MP), pela OAB e pelo eleitor. Os argumentos do TSE, no entanto, não convencem o presidente, que pediu ajuda das Forças Armadas para fiscalizar o processo.

As discussões a respeito da integridade das urnas também dividem opiniões dos candidatos entrevistados, como o eleitor pode conferir nas respostas dos publicadas nestas páginas.  

Para ampliar ainda mais o debate de temas polêmicos, O Diáriotambém questionou os candidatos a deputados a respeito de aborto, legalização da maconha, maioridade penal e política de armamento da população. Confira nas próximas páginas o que eles pensam a respeito dessas questões.

Aproveite e clique aqui para ler o que eles têm a dizer sobre outros temas:

 RALF NAURE

Partido PV | Candidato a deputado federal

A urna eletrônica é um equipamento 100% off line, com cartão de memória e ligada apenas por uma tomada elétrica, sem wi-fi, bluetooth ou rede. Um hacker não a ataca. Como segurança temos, no início da votação, a “zerésima” que comprova a inexistência de votos na urna e, no final, a emissão do boletim de urna com todos os votos depositados, que podem ser comparados com o mapa de votação do TRE. A urna eletrônica é um instrumento da Democracia, que eliminou as fraudes dos votos de papel. Todos os eleitos nas últimas 25 eleições gerais e municipais foram eleitos já na era da urna eletrônica. Por que o chororô só agora?

 FERNANDO MUNIZ
Partido PP | Candidato a deputado estadual

Confio plenamente, porque desde 1996 não há um único caso de fraude comprovado, ou seja, são 26 anos sem nenhuma evidência de que as urnas eletrônicas não são confiáveis. Pelo contrário, o nosso processo eleitoral é considerado o mais rápido e seguro do mundo, uma referência para outros países. Não faz sentido que esse modelo, que deveria ser motivo de orgulho nacional, esteja sendo tão questionado com bases em inverdades. A urna eletrônica surgiu para eliminar as fraudes no processo eleitoral, já que descarta a necessidade de intervenção humana, e oferece recursos de segurança que só a tecnologia é capaz, como, criptografia e resumos digitais. Portanto, elas não apenas são confiáveis, como foram a solução para acabar com trapaças no sistema, além de casos bizarros que registramos, como a eleição de animais e defuntos.

  

MARCOS FURLAN
Partido PODEMOS | Candidato a deputado estadual

As urnas eletrônicas são usadas em nosso País desde 1996, meio pelo qual fui eleito por três vezes vereador pelo município de Mogi das Cruzes. Sabemos que o sistema eletrônico de votação passa por diversas etapas de auditoria realizadas antes, durante e após o pleito. Um dos procedimentos mais relevantes para atestar o grau de confiança das urnas eletrônicas é o Teste de Integridade, que ocorre nos Tribunais Regionais Eleitorais (TREs) no mesmo dia da eleição, e é acompanhado por empresa de auditoria externa.  Tudo isso foi justamente uma resposta às fraudes que ocorriam em diferentes etapas do processo eleitoral, e trouxe mais transparência, segurança e confiança às eleições no Brasil.  Portanto, confio nas urnas eletrônicas, na Justiça Eleitoral, e nos processos implantados para fazer valer a democracia brasileira. 

  

AIRTON DOS SANTOS
Partido PP | Candidato a deputado federal

Não confio, pois fui candidato na última eleição e na apuração estava na briga pelo segundo lugar mais votado (PSDB) e deu um apagão por volta das 19h30.  Quando voltou era quase 22h e já estavam todos eleitos. Então fiquei sem explicação de onde vieram os votos e fiquei sem resposta para onde foram os meus votos e de onde vieram os votos daqueles que passaram à minha frente que foram eleitos, resposta que busco até hoje.

 ROBERTO DE LUCENA
Partido REPUBLICANOS | Candidato a deputado federal

Confio como confio na fechadura da porta da minha casa.  Além dela tenho câmera de segurança e portaria.

 INÊS PAZ
Partido PSOL | Candidata a deputada estadual

Não respondeu a pergunta.

 OSWALDO OLIVEIRA
Partido AVANTE | Candidato a deputado estadual

Não confio nas urnas eletrônicas, pois seu comprovante não define a realidade e transparência do seu voto, para mim teria que ser impresso o comprovante da urna, seção e zona eleitoral, e até mesmo em quem o cidadão votou, o estranho é que países de primeiro mundo não aceitam as urnas eletrônicas como Japão e Estados Unidos.

 FELIPE LINTZ
Partido PATRIOTA | Candidato a deputado federal

Não respondeu a pergunta

 RODRIGO GAMBALE
Partido PODEMOS | Candidato a deputado federal

Com certeza, se não confiasse não estaria na vida pública. Eu fui eleito através das urnas eletrônicas. As urnas eletrônicas fazem parte do processo democrático e já estão no Brasil há 25 anos. É um patrimônio do Brasil, idealizada e desenvolvida pela Justiça Eleitoral para uso do nosso país e é uma referência internacional, então, eu confio 100% nelas.  

  

JOSUÉ GONÇALVES
Partido PDT | Candidato a deputado estadual

Sim, acredito pelos motivos delas serem registradas no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). E as urnas sempre são testadas antes da votação eleitoral, por isso considero que são seguras.

 PEDRO MIRANDA
Partido REPUBLICANOS | Candidato a deputado estadual

Eu não confio no homem, que geralmente opera as urnas, precisamos monitorar de perto as ações.

 KATIA SASTRE

Partido PL | Candidata a deputada federal

As urnas eletrônicas trazem o benefício da apuração rápida dos votos, mas isso não é suficiente. É preciso que nosso sistema de votação também contemple o voto impresso para averiguação e transparência no resultado. Com o voto impresso complementando a urna eletrônica, caminhamos para o fortalecimento da nossa democracia. Quem se opõe a este movimento acaba se opondo ao Brasil. Acusam o presidente Bolsonaro de tentar armar um golpe ao colocar o resultado das eleições em dúvida, mas o que ele quer é justamente o contrário: com uma auditoria responsável dos votos, realizada com o voto impresso, podemos confiar com mais veemência em qualquer resultado.

 ANDRÉ DO PRADO

Partido PL | Candidato a deputado estadual

Não respondeu a pergunta.

 JULIANO BOTELHO

Partido PSB | Candidato a deputado estadual

Sim, as urnas eletrônicas são modernas e totalmente seguras, onde o sistema garante a integridade e autenticidade de cada eleitor, e o método utilizado nas eleições contam com diversos meio de auditoria e verificação do voto no caso de alguma divergência.  

  

RODRIGO ROMÃO

Partido PC do B | Candidato a deputado federal

Confio plenamente nas urnas eletrônicas. Usada no Brasil desde meados dos anos 1990, a urna vem evoluindo com sua tecnologia e segurança. Mais de 46 países já utilizam sistemas eletrônicos para captação e apuração de votos. Diversos países visitam o Brasil para conhecer o sistema eletrônico brasileiro.

  

MARCELO BRÁS
Partido PSDB | Candidato a deputado federal

Não respondeu a pergunta.

 ANDERSON - ACESSIBILIDADE
Partido PP | Candidato a deputado estadual

Eu confio sim nas urnas eletrônicas desde que elas transmitam confiança, e que o processo de apuração seja claro como água. 

 MARCIO ALVINO
Partido PL | Candidato a deputado federal

Não respondeu a pergunta.

 CLODOALDO DE MORAES

Partido PL | Candidato a deputado estadual

Confio plenamente. Disputei várias eleições e venci três delas, todas com urnas eletrônicas. Nesses mais de 20 anos de experiência política não tenho informação de qualquer evidência de fraude. Respeito quem pense diferente, mas entendo que podemos acreditar no resultado das eleições sem receio.

  

LUIZ CARLOS GONDIM
Partido UNIÃO BRASIL | Candidato a deputado estadual

Sim, não tenho dúvidas que as nossas eleições são justas e transparentes nas urnas, além da praticidade. Se lembram das longas filas de espera que eram necessárias para exercer o direito de escolher seus representantes? Desde 2000, porém, com a adoção da urna eletrônica em todo o Brasil, o ato de votar não leva mais que 40 segundos.

  

RODRIGO VALVERDE

Partido PT | Candidato a deputado estadual

Essa tecnologia não é conectada à internet e impossibilita a atuação de hackers. Ela emite uma zeríssima no início e no final emite um boletim de urna, podendo confrontar o número de votos, com o número de assinaturas na lista de presença dos mesários, assim o fechamento das urnas é rápido e o resultado sai no mesmo dia. Pouco ocorre, mas não é completamente inviolável, sem a fiscalização necessária, é possível fraldar assinaturas, mas isso não é problema da urna, é questão de fiscalização e índole do ser humano. Já no voto impresso, havia fraudes, por exemplo, na apuração em que anotações eram feitas nos votos em branco, o processo era mais difícil de fiscalizar e mais demorado. Então as urnas eletrônicas são seguras e invioláveis por hackers, dizer ao contrário é medo da vontade popular sem mérito do que está falando.

 MARCO BERTAIOLLI

Partido PSD | Candidato a deputado federal

O processo eleitoral no Brasil é um dos mais respeitados e seguros do mundo. A tecnologia tornou todo o processo eleitoral, desde a votação até a apuração, muito mais ágil com toda transparência necessária para assegurar a lisura da apuração. 

  

MICHAEL DELLA TORRE
Partido PTB | Candidato a deputado federal

Sim, confio. Mas segurança nunca é demais. 
Caso tivéssemos um comprovante para numa eventual necessidade de auditoria poder conferir seria muito interessante.

 FERNANDA MORENO
Partido MDB | Candidata a deputada estadual

O sistema de biometria, assim como as novas tecnologias (uso de urnas eletrônicas) nas eleições é algo que veio para facilitar, agilizar e desburocratizar o processo eleitoral. Acredito que todo o sistema criado para o processo - um hardware e software desenvolvidos especificamente e devidamente certificados pela Justiça Eleitoral - seja eficiente. Mas, como em toda ciência exata que admite um índice ínfimo de falhas, há de se entender alguns percalços que podem ocorrer no processo de apuração. Acredito que é preciso estar atento e investir cada vez mais  em medidas de controle e fiscalização para a segurança dos eleitores e dos candidatos. O voto foi direito adquirido por todos nós, em especial, as mulheres, que não pode ser banalizado. Ao se ter consciência disso, o povo brasileiro irá cobrar por um sistema mais eficiente que ele merece. 

  

MARCOS DAMÁSIO

Partido PL | Candidato a deputado estadual

Sim, eu confio nas urnas eletrônicas, até porque fui eleito duas vezes deputado estadual por intermédio deste sistema e não vejo a possibilidade de fraudes ou manipulação dos resultados. Confio na lisura do processo e, em todos esses anos, não vi nenhum acontecimento que colocasse os resultados das urnas eletrônicas em dúvida. Este sistema é confiável, em minha visão.

 ROMILDO CAMPELLO
Partido PV | Candidato e deputado estadual

Sim, confio nas urnas eletrônicas. Nesses mais de 20 anos de uso das urnas eletrônicas não há nenhum registro oficial e/ou comprovado de fraude no sistema. O Partido Verde foi o único partido político que nomeou perito próprio para acompanhar a avaliação do código fonte da urna (programas de computador que fazem a urna funcionar) e constatamos a qualidade e inviolabilidade do sistema. Em termos de segurança, o sistema da urna eletrônica é reconhecido internacionalmente como uma das tecnologias mais eficientes do mundo. Na minha opinião, toda essa discussão tem outro objetivo: desviar o foco dos reais problemas do país, como a pandemia, a falta de emprego e a estagnação da economia. Desviar o foco da atenção é uma velha tática de guerra dos paraquedistas.

Conteúdo de marcaVantagens de ser um assinanteVeicule sua marca conosco
O Diário de Mogi© Copyright 2022É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por