Entrar
Perfil
EM BRASÍLIA

Região perde uma cadeira em Brasília e elege Bertaiolli, Márcio Alvino e Gambale

Com 99% dos votos apurados, Alto Tietê reduz a representatividade da bancada regional, com a saída de Kátia Sastre e Roberto Lucena

Eliane José
02/10/2022 às 22:21.
Atualizado em 03/10/2022 às 11:43

Marco Bertaiolli (PSD), Márcio Alvino (PL) e Rodrigo Gambale (PODE) foram eleitos para a Câmara Federal (Divulgação)

Em 2023, a bancada federal do Alto Tietê deverá reduzir uma cadeira em Brasília com a reeleição de Marco Bertaiolli (PSD) e Márcio Alvino (PL) e a eleição de Rodrigo Gambale (PODE) que apostou na disputa a deputado federal deixando a Assembleia Legislativa de São Paulo. Já a policial Kátia Sastre, do PL, de Suzano, e Roberto Lucena, do Republicanos, de Arujá, não conseguiram se manter na Câmara Federal.

Os resultados finais ainda estão sendo computados neste final de domingo. Mas, a contagem de mais de 99% das urnas apuradas em São Paulo mostra a conquista de cadeiras de três nomes, e a saída de Kátia e Lucena, que não se reelegeram.

Márcio Alvino, de Guararema, filho da ex-prefeita Conceição Alvino, teve o maior número de votos: 187.130 votos. Foram  50 mil a mais do que a performance alcançada em 2018, quando ele obteve o aval de 135.844 eleitores.

O segundo melhor colocado no Alto Tietê foi Marco Bertaiolli que foi prefeito de Mogi das Cruzes e assumirá o segundo mandado no ano que vem. Ele obeteve 157 mil votos, 20 mil a mais do que há quatro anos, quando foram 137 mil sufrágios.

O mogiano Rodrigo Gambale, do Podemos, mesmo partido do prefeito Caio Cunha e irmã da prefeitra de Ferraz de Vasconcoles, Priscila Gambale, chega a Brasília com 108.089 votos. Na disputa a deputado estadual, em 2018, ele obteve 86 mil votos.

Quem teve a maior desidratação na aprovação das urnas foi a policial militar Kátia Sastre, de Suzano, do PL,que foi eleita em 2018 no primeiro mandato com 264 mil votos, após a grande repercussão que ela contabilizou com o vídeo viral de uma abordagem após uma tentativa de assalto  - ela reagiu, atirou no ladrão, que morreu. Neste domingo (2), ela conquistou 60.187 eleitores e foi uma das candidatas que recebeu mais de R$ 2,5 milhões do fundão eleitoral.

Roberto Lucena também não foi reeleito: ele obteve 69.183 votos, 16 mil a mais do que em 2018, quando foram 53 mil.

Já o mogiano Felipe Lintz, do Patriota, teve 21.486 votos na disputa a deputado estadual.

O atual vereador por Mogi, Marcelo Brás do Sacolão, teve 8.993 votos. Ele foi o mais votado para o cargo há dois anos. 

Michal Della Torre, que concorreu a prefeitura de Mogi nas últimas eleições, teve 975 votos. Ralf Naure do PV teve 494 votos. 

Conteúdo de marcaVantagens de ser um assinanteVeicule sua marca conosco
O Diário de Mogi© Copyright 2022É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por