Entrar
Perfil
EDUCAÇÃO

Professora dá exemplo de amor à educação e solidariedade

Na pandemia, a especialista se reinventou e mudou a forma de ensinar para continuar ajudando seus alunos

Agência Educa Mais Brasil
08/04/2022 às 14:55.
Atualizado em 08/04/2022 às 14:55

Professora e especialista em Língua Portuguesa Maria de Lourdes (Foto: divulgação / Acervo Pessoal)

Olá, quer continuar navegando no site de forma ilimitada?

E ainda ter acesso ao jornal digital flip e contar com outros benefícios, como o Clube Diário?

Já é assinante O Diário Exclusivo?
EDUCAÇÃO

Professora dá exemplo de amor à educação e solidariedade

Na pandemia, a especialista se reinventou e mudou a forma de ensinar para continuar ajudando seus alunos

Agência Educa Mais Brasil
08/04/2022 às 14:55.
Atualizado em 08/04/2022 às 14:55

Professora e especialista em Língua Portuguesa Maria de Lourdes (Foto: divulgação / Acervo Pessoal)

A professora Maria de Lourdes, 49 anos, oriunda da zona rural de São Felipe, interior da Bahia, começou a trilhar o caminho da educação aos 16 anos, quando começou a dar aulas para crianças e jovens da comunidade, mesmo sem recursos, estrutura adequada e sem saber como ser uma professora. Hoje ela é especialista em língua portuguesa mas, para chegar neste patamar, precisou batalhar para garantir não somente a seus estudos mas contribuir com a formação de inúmeras pessoas que foram impactadas com suas aulas e atitudes. 

“Aos 15 anos, eu já queria dar aula mas não podia fazer concurso por conta da idade”, relembra a educadora. Maria de Lourdes conta que o prefeito da cidade à época conversou com seu pai e pediu para que aguardasse até ela completar 16 anos. “Quando, enfim, pude realizar o desejo de ensinar, não foi fácil. O espaço pago pela prefeitura tinha chão de terra batida e isso me incomodava porque eu me colocava no lugar dos meus alunos naquele espaço impróprio para o ensino”, relembra.

A dificuldade não foi barreira. A sala de casa se tornou sala de aula. Um espaço na igreja local também. Por fim, depois de muito lutar por um espaço melhor, um prédio foi construído para abrigar os encontros ministrados pela jovem. Os problemas, entretanto, não paravam de surgir. A escola não tinha merenda, água encanada, energia elétrica e, no banheiro, não havia descarga. Sobrava desejo de compartilhar conhecimento. “Eu era professora e estava ali para ensinar para aqueles meninos que tinham vontade de aprender. E foi pegando água do vizinho, estudando com a luz do dia que a gente seguiu criando uma relação de união e cumplicidade que era fortalecida pelas dificuldades que vivíamos juntos”, recorda com gratidão. 

Oportunidade de estudos no Canadá

Ainda que já estivesse exercendo o papel de professora, Maria seguia estudando. Curiosa, sempre buscava ler e agregar conhecimento à sua bagagem. Quando soube da oportunidade de intercâmbio no Canadá, não pensou duas vezes. Mesmo sem saber do que se tratava o intercâmbio, fez sua inscrição e conquistou aprovação.

“Era preciso fazer uma redação e, na época, eu não era muito boa em português. Ainda assim, eu tinha o conhecimento conquistado em minhas vivências. O tema da redação era: Por que você quer participar de um projeto social e comunitário. Na época, eu não sabia o que era um projeto, só sabia que eu queria estudar no Canadá. Sempre cuidei dos meus oito irmãos e era essa a experiência que eu tinha, sabia que a vida era dura e que, para conseguir alguma coisa, era preciso batalhar. A ideia que eu tive foi escrever sobre a minha vida, sobre o que eu fazia e essa ideia me deu o primeiro lugar no concurso”, conta.

Em terras estrangeiras, a professora concluiu o seu ensino médio, aprendeu francês e, no seu dia a dia, lidou com diversas situações que a fizeram entender que em toda sua trajetória o lado social estava presente. Era isso que queria para a vida!

“Eu sabia que para ensinar e ajudar outras pessoas, precisava aprender mais e mais. No Canadá, me dei conta que eu deveria aprender mais sobre o português, pois me dedicando à minha própria língua, eu poderia aprender sobre as outras. Quando voltei para o Brasil, decidi fazer pré-vestibular e graduação em Letras e, depois, algumas especializações em Geolinguística e em Comunicação e Marketing”, acrescenta a professora. 

“Português sem mimimi”

A vontade de continuar aprendendo e despertando o interesse nos alunos fez com que a educadora se mantivesse no caminho do conhecimento. “Fui para Campinas estudar na UNICAMP, depois ingressei na USP, na sequência viajei para a França e estudei uma época lá. Agradeci muito por saber falar francês. Conhecimento nunca é demais, por isso hoje eu falo sobre o assunto de uma forma descomplicada. Busco sempre transformar a visão que as pessoas têm de que o português difícil, mostrando que pode ser mais fácil”, destaca.

No começo da pandemia, Maria de Lourdes venceu a timidez e criou o “Português sem mimimi”, seu canal no Youtube onde é possível encontrar diversos vídeos com explicações sobre nossa língua, principalmente voltadas para quem está se preparando para concursos públicos. 

Depois de 20 anos ensinando em São Paulo, a educadora voltou para a Bahia com o desejo de continuar se dedicando a projetos sociais.  “Sempre gostei de fazer aulão solidário mas, lá em Campinas, não tinha muito. Cheguei em Salvador e, cinco meses depois, começou a pandemia, porém, a vontade de continuar ajudando ainda existia. Criei meu canal no Youtube e no começo era bem difícil porque não tinha familiaridade com as redes sociais. Aos poucos, fui conseguindo gravar os vídeos, comentando os assuntos, esclarecendo dúvidas com objetivo de ajudar quem quer aprender”.

A professora transformou também seu perfil no Instagram como uma espécie de sala de aula onde compartilha questões de simulados para seguidores. “Nos comentários, os alunos podem postar as respostas e conferir se acertaram na mesma publicação. Eu tiro dúvidas, oriento e ajudo todos com alegria”, conta.

Salas de aula digitais

Os anos passam mas a veia solidária de Maria de Lourdes segue pulsante. Com a chegada da pandemia e a criação do canal do Youtube, ainda faltava alguma coisa que pudesse aproximar a professora dos seus alunos. Foi assim que surgiu a ideia de criar grupos no WhatsApp para tirar dúvidas, comentar questões e ter mais um ambiente, mesmo que virtual, para chamar de sala de aula.

E o que começou como mais um canal de ensino se tornou uma vasta produção de material gratuito com quase quinhentas páginas. “Eu disponibilizava os simulados e as questões nos grupos e os alunos respondiam, faziam perguntas e eu gravava as respostas para colocar no Youtube. As aulas gravadas ficam disponíveis para quem quer conferir a qualquer momento”.

Com a flexibilização das medidas de prevenção ao coronavírus e a retomada gradativa das atividades presenciais, Maria de Lourdes, em parceria com diversos professores de cursinhos pré-vestibular da capital baiana, organiza aulões solidários que arrecadam alimentos e roupas para doação. “Nesses eventos, cobramos um valor simbólico que é revertido na compra de alimentos para moradores de rua e instituições de caridade”, explica a professora que, nas entrelinhas, dá mais uma necessária lição de solidariedade. “Agradeço a Deus pela minha essência e pela capacidade de me doar e ensinar. Educação para mim é vida. Quem não vive para servir não serve para viver”, conclui, emocionada.

Conteúdo de marcaVantagens de ser um assinanteVeicule sua marca conosco
O Diário de Mogi© Copyright 2022É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por