MENU
BUSCAR
Educação

Campanha promove visibilidade a ONG's que acolhem crianças e adolescentes

Trabalho das instituições serão mostrados nas redes sociais do Educa Mais Brasil

Agência Educa Mais Brasil Publicado em 11/10/2021 às 18:02Atualizado há 16 dias
Divulgação
Divulgação

Comemorado no dia 12 de outubro, o dia das crianças é um dia em que pais e responsáveis promovem momentos regados a diversão para meninos e meninas de todo país. Porém, também é um momento oportuno para chamar atenção para aqueles que não estão inseridos dentro de uma família.

Dados do Sistema Nacional de Adoção e Acolhimento (SNA), do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), apontam que aproximadamente 30 mil crianças e adolescentes encontram-se morando em mais 4.533 casas de acolhimento espalhadas por todo o país. E se atualizarmos esse número, podemos encontrar uma realidade ainda mais alarmante, visto que na pandemia de Covid-19 mais de 130 mil menores de idade perderam o cuidado de um dos seus responsáveis, como pai, mãe ou outro tutor.

Conscientização, visibilidade, apoio e incentivo são as palavras-chave da campanha Fazer Mais, nome do projeto que o Educa Mais Brasil, maior programa de bolsas de estudo do país, está lançando neste mês das crianças. Além das oportunidades de desconto para quem quer estudar, o Educa cederá espaços em suas redes sociais e canais de comunicação para apresentar iniciativas que atuam com a educação e garantia de direitos fundamentais de crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social.

A partir desta semana, os 3 milhões de pessoas que acompanham o Educa no Facebook e mais de 700 mil seguidores do Instagram vão conhecer iniciativas de Iniciativas de Organizações Não Governamentais (ONGs) espalhadas por todo o país. Para conferir a lista completa das instituições, basta clicar aqui.

“Existem ONGs que realizam trabalhos lindos e essenciais que não são conhecidas como deveriam. Abriremos as portas dos nossos canais para reconhecer e enaltecer o valor delas. Essa iniciativa resume a nossa filosofia e propósito: juntos podemos fazer mais”, explica a coordenadora de Marketing do Educa Mais Brasil, Amanda Galindo, acrescentando que a veiculação das ações das ONGs também deverá acontecer no site do Educa, que é acessado por 20 milhões de pessoas a cada mês.

Há 58 anos acolhendo órfãos, vítimas de negligencia e maus tratos, o Lar da Criança já contribuiu para amenizar a solidão de mais de 200 crianças e adolescentes em Salvador, na Bahia. A casa de acolhimento, que hoje assiste 10 crianças e adolescentes, é uma das que terá o trabalho divulgado nas redes sociais do Educa Mais Brasil.

A publicidade lança luz nas boas ações e projetos que o Lar da Criança realiza com os pequenos, assim como pode ser um caminho para viabilizar ajuda em dois pontos que merecem atenção na instituição. “São duas coisas que são muito complicadas. Uma é infraestrutura, com questões de reforma e de imóveis. Isso, às vezes, é visto pelas pessoas de fora como se não fosse de grande necessidade. E outra é na questão alimentícia, principalmente para compra de proteínas, frutas e verduras”, explica Dalila de Souza Rôla, coordenadora administrativa do Lar da Criança.

Acolhimento espalhados por todo o Brasil

“Quando você trabalha em uma casa de acolhimento, tem diversas vivências que são muito tristes. Com o tempo, a gente consegue juntar os “caquinhos” e fazer uma obra de arte”. As palavras de Dalila resumem bem uma das funções que as instituições têm como missão: mudar a realidade dos meninos e meninas acolhidos.

E isso pode ser visto em diferentes ações espalhadas por todo o Brasil. Nascido do sonho de reduzir a mortalidade infantil e materna através do combate à desnutrição e o cuidado e prevenção da gravidez precoce, o “Núcleo de Assistência à Criança e Família em Situação de Risco (Nacer)” realiza diferentes projetos em Manaus (AM).

Além do acolhimento de crianças e adolescentes em vulnerabilidade social, em especial adolescentes grávidas em situação de risco, o Nacer também realiza projetos com a população em situação de rua da cidade, como um banheiro móvel e distribuição de alimentos.

Para Cleslley Rodrigues, diretor executivo do Nacer, ser citado nos canais comunicação do Educa é bastante positivo. É uma oportunidade de mostrar para o mundo o que eles fazem com bastante suor e amor em prol dos acolhidos. “Vejo isso de forma muito positiva porque mostrando a clareza do trabalho da instituição a publicidade consegue ajudar a gente. É uma forma de propagar a gente pro mundo”, afirma.

Além do Lar da Criança, na Bahia, e do Nacer, no Amazonas, instituições referenciadas em outros estados serão divulgadas pelo projeto Fazer Mais do Educa. A lista completa de Ongs, com informações sobre atuação e de como ajudar, pode ser conferida no perfil do Instagram do Educa ou através desse link.