MENU
BUSCAR
Um olhar sobre a cidade

Mogi é uma cidade feia. Concorda?

Canal Criaticidade toca em um ponto importante e chama para uma discussão sobre Mogi das Cruzes

Josué SuzukiPublicado em 14/10/2021 às 23:22Atualizado há 2 meses
PMMC - Divulgação
PMMC - Divulgação

ENTENDA  O CANAL CRIATICIDADE

Mogi é uma cidade feia.

Ouvi tal afirmação em diferentes ocasiões, desde que por aqui me atraquei. sempre com um “mas”. “A localização é fantástica, pois estamos a poucos minutos do Aeroporto Internacional de Guarulhos, a pouco quilômetros da Capital e a um pulinho da praia”.

Ao falar de Mogi, parece a velha história do sujeito que chega no outro e diz: tenho uma boa e uma má notícia. Por que nunca são duas boas? Ah, Mogi é feia, mas a localização é fantástica...

Talvez contaminado por “tais verdades”, essas também foram as primeiras impressões desse forasteiro que vos escreve. Mas comecei a aprender a ver uma beleza que alguns não conseguem ou não querem enxergar.

Beleza de uma Mogi vista à distância, na chegada pela Mogi-Dutra. Ou, quando pela avenida Narciso Yague Guimarães, surge imponente aquele verde da serra contornando a cidade. Dependendo do clima, as nuvens encobrem a beleza natural que nos observa, proporcionando uma pintura esfumaçada. Um quadro realista para todos.

Beleza vista do quarto andar da prefeitura (visão privilegiada de quem administra a cidade). Dá até vontade de ser prefeito só para contemplar a Mogi pelos vidros do prédio que abriga a gestão pública.

Beleza dos parques. O Centenário é de causar inveja a muitas cidades por aí. Talvez vale melhorar um pouco a fachada. Fica a dica.

Mas entendo as argumentações dos críticos de plantão. Talvez uma outra percepção é a causa dessa cegueira em relação aos pontos citados acima. Talvez a falta de beleza que eles dizem esteja na estrutura urbana. Talvez a falta de viadutos, grandes avenidas e outras belezas de concreto são mais latentes, para alguns, do que a presença da natureza.

Convenhamos, a beleza urbana nem sempre é sinônimo de desenvolvimento urbano. E nunca deve ser mais importante do que a beleza natural. Mas, precisamos admitir que falta a Mogi alguns itens essenciais para o desenvolvimento social e estrutural.

O projeto Viva Mogi, que já mostramos neste espaço, deve melhorar alguns itens essenciais de vivência. No entanto, há situações que gritam e fazem com que problemas estruturais se confundam com beleza urbana. Compreensível.

Não é necessário ser especialista para entender que algo precisa ser feito. O trem que disputa lugar com carros, ruas já estreitas com permissão para estacionar, desorganização do trânsito, semáforos e cruzamentos confusos, ciclofaixas que nada mais são do que ruas com pequenas faixas pintadas.

Já citamos neste mesmo canal a confusão do trânsito, problema amenizado pelos mogianos que possuem empatia ao volante.

Essa análise de cidade deve ser profunda e o foco deve ser a solução de problemas estruturais. Um olhar mais atento ao trânsito, a vivência urbana, a democracia do ir e vir sem barreiras ou malabarismos. É facilitar a vida do cidadão no dia a dia. Ponto.

A beleza será uma consequência.

Afinal, profetizamos: Mogi é linda. E a localização então...