Entrar
Perfil
Artigo

Trabalhabilidade vira a palavra da hora

Os mais velhos vão competir com os mais novos e precisam estar preparados fisicamente

Cláudio Costa
21/11/2022 às 10:49.
Atualizado em 21/11/2022 às 10:49

Cláudio Costa (Arquivo)

Olá, quer continuar navegando no site de forma ilimitada?

E ainda ter acesso ao jornal digital flip e contar com outros benefícios, como o Clube Diário?

Já é assinante O Diário Exclusivo?
Artigo

Trabalhabilidade vira a palavra da hora

Os mais velhos vão competir com os mais novos e precisam estar preparados fisicamente

Cláudio Costa
21/11/2022 às 10:49.
Atualizado em 21/11/2022 às 10:49

Cláudio Costa (Arquivo)

Não tenho dúvidas que a “palavra da hora” hoje em dia no ambiente corporativo das empresas é trabalhabilidade. Não existe um só significado para esta palavra, mais de maneira geral se traduz na capacidade dos executivos das empresas de dar mais longevidade a suas carreiras e, isto somente é possível através da educação continuada, pois mudanças constantes nas demandas empresariais impulsionam o aprendizado por toda vida.

A questão é o que devemos apreender e onde buscar estas novas tecnologias. As escolas de negócios tentam se adaptar ao ritmo das transformações e, sem dúvida, trouxeram um desafio para as instituições de ensino pois se antes havia apenas o aluno experiente e o novo, agora os dois perfis se ampliaram, com os mais velhos em busca de informações tecnológicas e os mais novos tentando compensar a inexperiência.

Outro fator importante para a longevidade profissional é a saúde, pois os mais velhos vão competir com os jovens e precisam estar preparados fisicamente com uma boa dose de dedicação e comprometimento.

As empresas que conseguirem entender esta interação entre a jovialidade e a maturidade nesta mistura de gerações com certeza terão resultados melhores pois experiência e inovação são combinações enriquecedoras e fazem com que os executivos seniores despertem para as novas tecnologias.

Neste ambiente de transformações, as empresas de recrutamento e os departamentos de RH das empresas precisam se atualizarem aos novos pré-requisitos e perfis exigidos para esta nova necessidade que resultará no sucesso ou fracasso das organizações pois não basta buscar novos profissionais no mercado, ate porque eles ainda não existem na sua totalidade, mais sim buscar dentro das empresas profissionais que possam ser requalificados para as demandas organizacionais atuais e futuras.

É preciso entender o presente para conseguir enxergar com mais clareza o futuro que se aproxima cada vez mais rápido.
Trazendo isto para o ambiente brasileiro temos um adicional que chamamos de estrutura emocional que fazem do Pensamento critico e competência interpessoal elementos chaves na crise.

É preciso buscar o autoconhecimento a qualquer custo e questionar o significado do trabalho e sua contribuição para a sociedade.
O executivo brasileiro sempre foi reconhecido de forma positiva por trabalhar em ambientes de alta volatilidade e assim serão os ambientes corporativos em um futuro próximo.

Forte abraço

|||||||||||||||||||||||||||||||

Cláudio Costa é empresário, economista e diretor executivo da AGFE

Conteúdo de marcaVantagens de ser um assinanteVeicule sua marca conosco
O Diário de Mogi© Copyright 2022É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por