FUTURO

Câmara de Mogi vota LDO em duas sessões nesta terça-feira

PLENÁRIO Câmara de Mogi das Cruzes realiza sessões ordinária e extraordinária nesta terça-feira, a partir das 15 horas. (Foto: arquivo)

A Câmara de Mogi realiza nesta terça-feira as duas sessões obrigatórias para discutir e votar a Lei de Diretrizes Orçamentária (LDO), matéria que define os planos, diretrizes e prioridades da administração e determina as metas fiscais do município para 2021. A mesa diretiva informa que a ausência dos seis vereadores denunciados pelo Ministério Público por suspeitas de corrupção, organização criminosa e lavagem de dinheiro não vai atrapalhar a tramitação do projeto elaborado pela Secretaria Municipal de Finanças.

O presidente do Legislativo, Sadao Sakai (PL), explica que para a aprovação da matéria em sessões ordinária e extraordinária que acontecem hoje, a partir das 15 horas, é necessário apenas o voto da maioria simples do Legislativo, que mantém atualmente 23 parlamentares.

Até ontem à tarde, a Casa não tinha informações sobre o prazo das prisões dos vereadores Mauro Araújo (MDB), Diego de Amorim Martins (MD), Jean Lopes (PL) e Pastor Carlos Evaristo (PSB), detidos em Tremembé, no Vale do Paraíba. Há ainda Francisco Bezerra (PSB) em regime domiciliar, e Antônio Lino (PSD) considerado foragido.

Até o momento, a Comissão de Ética não iniciou a análise dos dois pedidos de cassação de mandatos já protocolados na Câmara pelo PDT e pelo jornalista Mário Berti. O novo presidente da Pasta, que era ocupada por Lino, será o vereador Francimário Vieira Macedo Farofa (PL), no aguardo da convocação e nomeação oficial por parte da mesa diretiva para assumir o cargo e dar início aos trabalhos.

LDO

A LDO de 2021 projeta investimentos em áreas sociais, saúde, mobilidade urbana e saneamento básico, mantém o funcionamento de todos os equipamentos públicos, as parcerias com as instituições, além de prever construção da maternidade municipal, do Complexo de Saúde do Rodeio, novas creches, programa de inovação e tecnologia, entre outros. Inclui também o +Mogi EcoTietê, um plano de obras de mobilidade, saneamento e meio ambiente em César de Souza. O custo é de R$ 365,3 milhões, financiados pelo Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF).


Deixe seu comentário