O governador João Doria fez um apelo durante entrevista coletiva, que acabou agora há pouco: "Peço que a Anvisa leve em conta a ciência". Disse ainda que espera que a agência não se renda a qualquer questão política ou ideológica.

A fala de Doria não cita o presidente Jair Bolsonaro, que sempre se posicionou contra a vacina da China negociada pelo Estado de São Paulo. Apesar de não ter ainda a aprovação da Anvisa, o governador mantém a previsão de começar a vacinar no dia 25 de janeiro. Já o Ministério da Saúde ainda não definiu nenhuma data para iniciar a vacinação.   

O pedido de uso emergencial à Anvisa serve para a aplicação de doses em grupos de risco como idosos e profissionais da saúde. Já o registro da vacina é uma autorização definitiva para imunização em massa e comercialização com bula.

Em nota, a agência reguladora informou que ainda demanda outros encontros para ser concluído. "Não houve submissão do pedido de uso emergencial pelo Instituto, mas sim a apresentação de informações gerais sobre os estudos de eficácia. Os representantes do Instituto afirmaram que vão agendar nova reunião para prosseguir no detalhamento das informações e dados", disse a Anvisa.

"A reunião de pré submissão é uma estratégia que segue a prática de outras autoridades regulatórias do mundo. Esta reunião é feita antes do envio de pedido formal de qualquer laboratório para dar conhecimento prévio do projeto de vacina e otimizar os direcionamentos técnicos e legais."

A Anvisa reforçou que só iniciará o processo de análise da vacina quando o rito de pedido de uso estiver definitivamente concluído. Esse prazo, segundo comunicados anteriores da agência, deve ser de até 10 dias.

78% a 100% 

"A vacina do Instituto Butantan tem eficácia de 78% a 100% contra covid-19, apontam estudos no Brasil. Esse resultado significa que a vacina tem elevado grau de eficiência e eficácia para proteger a vida dos brasileiros.

As pessoas vacinadas terão entre 78% a 100% chances a menos de desenvolver a covid-19", disse Doria. As porcentagens de eficácia da CoronaVac, segundo o Instituto Butantan, são as seguintes:

- Contra casos leves de covid-19: 78%

- Contra casos moderados de covid-19: 100%

- Contra casos graves de covid-19: 100%