Entrar
Perfil
INVESTIGAÇÃO

Quatro anos da facada em Bolsonaro: provas da PF indicam que Adélio agiu sozinho

Investigação incluiu análise de 2 terabytes de imagens, de celulares, além da quebra de sigilo telefônico e bancário do autor de atentado

Agência O Globo
06/09/2022 às 16:57.
Atualizado em 07/09/2022 às 14:31

A PF abriu dois inquéritos para apurar a facada contra Bolsonaro (Crédito: Isac Nóbrega / PR)

Há exatamente quatro anos, uma facada desferida por Adélio Bispo de Oliveira no então candidato à Presidência Jair Bolsonaro, durante evento eleitoral em Juiz de Fora (MG), marcou a campanha. O atentado motivou uma série de teorias, que incluíam desde ligações do criminoso com políticos adversários a conluios para que o crime fosse acobertado. Após analisar uma série de provas, a conclusão da Polícia Federal foi no sentido contrário: Adélio agiu sozinho.

E tal conclusão está amparada na análise exaustiva de imagens do dia, em mensagens e da quebra de sigilos telefônicos e bancários de Adélio e de pessoas que pudessem ter alguma ligação com o ato. Mas a investigação não encontrou qualquer elemento que indicasse a participação de mais pessoas.

Em 2019, Adélio foi considerado inimputável, ou seja, não poderia ser punido pelo crime, uma vez que uma perícia concluiu que ele tinha transtorno delirante persistente. Por ser considerado perigoso, ele foi afastado do convívio social e está até hoje, quatro anos depois, internado em um presídio federal em Campo Grande (MS) para receber tratamento. Uma nova perícia realizada em julho deste ano constatou que o transtorno persiste.

Inquéritos

A PF abriu dois inquéritos para apurar a facada contra Bolsonaro. Um em 2018, logo após o atentado, e outro que só foi concluído em maio de 2020. A segunda apuração foi iniciada por decisão da própria PF para assegurar que não houve a participação de terceiros, com um eventual mandante — hipótese descartada após as investigações.

Nos documentos que compõem as investigações, a polícia citou vários pontos para demonstrar que não houve participação de mais pessoas além de Adélio no crime.

Segundo a PF, foram analisados 2 terabytes de imagens, incluindo mais de 150 horas de gravação de câmeras de segurança em Juiz de Fora ou feitas por pessoas que as pulicaram nas redes sociais. A apuração também checou 1.200 fotos do dia do atentado.

Sabatina: Bolsonaro reage a jornalista após pergunta sobre compra de imóveis com dinheiro vivo: 'Você é casada com uma pessoa que vota em mim'; assista

Além disso, a PF vasculhou mais de 250 gigabytes de informações em mídia, incluindo dados de celulares e computador, além de 600 documentos. Analisou ainda 6 mil comunicações de mensagens instantâneas, e periciou computadores da lan house que Adélio frequentava.

Outro ponto destacado pela polícia foram as 40.508 mensagens nas contas de e-mail de Adélio a partir de 2016, que não mostraram qualquer indício de que houve a participação de outras pessoas no crime cometido por ele.

As mensagens do Facebook de Adélio também não revelaram indícios de participação de outras pessoas.

A PF cruzou ainda informações nos celulares de Adélio e dados cadastrais de 16,2 milhões de pessoas filiadas a todos os partidos políticos.

As quebras de sigilo bancário não revelaram aportes suspeitos, e o único valor na conta de Adélio que chegou a levantar alguma suspeita dos policiais era, na verdade, fruto de uma ação trabalhista movida por ele. Houve também 17 quebras de sigilo telefônico, das quais 12 de números diretamente relacionados a Adélio, mas nada apontou a participação de terceiros.

A PF também investigou quem pagou um curso de tiro que Adélio realizou em Santa Catarina meses antes do atentado. A conclusão foi que ele mesmo financiou a atividade.

Suspeitos de internet

A investigação avançou ainda sobre pessoas apontadas nas redes sociais que pudessem ter alguma ligação. Até mesmo uma pessoa crítica a Bolsonaro que havia sido apontada por um bolsonarista como um cúmplice de Adélio teve o celular periciado. O resultado, mais uma vez, foi que a tese não se comprovava.

A PF também destacou na investigação que "de imediato surgiram várias postagens nas redes sociais apontando outros manifestantes como coautores do crime", mas ressaltou que "referidas hipóteses não se confirmaram".

De acordo com a PF, alguns deles foram espontaneamente prestar esclarecimentos e registrar ocorrência, uma vez que passaram a ser insultados, ofendidos e ameaçados nas redes.

Entre os "suspeitos" da internet, havia até mesmo pessoas que, segundo disseram, foram ao ato político por serem apoiadoras de Bolsonaro. Em alguns casos, a mera semelhança com alguém que aparecia nas fotos do dia da facada foi suficiente para que figurasse na lista de comparsas de Adelio.

Confissão

Em depoimento que prestou em agosto de 2019, o próprio Adelio disse que "nunca concordou com a tese de defesa de seu advogado, que alegou sua insanidade mental" e que "é réu confesso e gostaria de ter sido tratado como tal somente".

A PF também periciou a faca usada por Adélio e constatou que "é dotada de lâmina afiada e ponta, sendo eficaz para causar feridas incisas e pérfuro-incisas, além de possuir cabo de plástico, eficaz para causar feridas contusas". Estimou até mesmo seu valor de mercado: R$ 7.

Conteúdo de marcaVantagens de ser um assinanteVeicule sua marca conosco
O Diário de Mogi© Copyright 2022É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por