Entrar
Perfil
DÍVIDAS

Inadimplência bate recorde e atinge 66,6 milhões de brasileiros em maio

Número de brasileiros com dívidas em atraso cresceu 4 milhões em um ano, revela pesquisa do Serasa

Agência Brasil
11/07/2022 às 16:40.
Atualizado em 11/07/2022 às 17:26

Há mais 4 milhões de nomes negativados na comparação anual e mais de meio milhão somente em relação a abril deste ano (Imagem: Reprodução)

A quantidade de brasileiros com dívidas atrasadas nunca foi tão alta. Há 66,6 milhões de pessoas inadimplentes no país, o equivalente a 31% da população. É o maior contingente absoluto desde o começo da série histórica, iniciada em 2016. É o que revela a pesquisa do Serasa Experian de Inadimplência do Consumidor, divulgada nesta segunda-feira.

Há mais 4 milhões de nomes negativados na comparação anual e mais de meio milhão somente em relação a abril deste ano, segundo a pesquisa. Este aumento ocorre em meio ao descontrole inflacionário, com o país há 10 meses com a inflação acima de dois dígitos, e à escalada da taxa Selic, que saiu de 2% em março de 2021 e chegou ao patamar de 13,25% em junho deste ano.

Com a perda do poder de compra e a queda na renda dos trabalhadores, as famílias brasileiras sentem mais dificuldade para fechar as contas no azul no fim do mês, principalmente as de menor renda. Contrair novas dívidas também se torna mais desafiador, ao passo em que o crédito está mais caro em razão do aumento dos juros.

Não por acaso longas filas têm se formado nas portas dos Centros de Referência de Assistência Social (CRAs), com centenas de famílias na esperança de serem inscritas no Cadastro Único (CadÚnico) a fim de conseguirem acesso a programas sociais do governo, como o Auxílio Brasil.

Bancos e cartões lideram ranking

A pesquisa revela que a maioria das dívidas se concentra no segmento de bancos e cartões, que representa 28,2% do total. Em seguida aparecem as contas básicas como água, luz e gás, com 22,7%. Em terceiro lugar ficam os setores de varejo e financeiras, com 12,5% cada um, seguido dos serviços (10,8%), telefonia (7,1%) e seguradoras (2,2%).

Na análise por estado, São Paulo concentra o maior número de inadimplentes (15,6 milhões), seguido pelo Rio de Janeiro (6,7 milhões), Minas Gerais (6,3 milhões), Bahia (4,1 milhões) e Paraná (3,5 milhões).

A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), feita pela Confederação Nacional do Comércio (CNC), mostrou cenário parecido com relação ao patamar de brasileiros endividados. O percentual de famílias endividadas atingiu 77,3% em junho, o terceiro maior nível da série histórica, iniciada em 2010.

As duas maiores taxas foram observadas em abril e maio, de 77,7% e 77,4%, respectivamente. Já o percentual de famílias com dívidas em atraso foi de 28,5%, também terceiro maior nível da série histórica, com as outras duas maiores taxas registradas em abril e maio.

Conteúdo de marcaVantagens de ser um assinanteVeicule sua marca conosco
O Diário de Mogi© Copyright 2022É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por