MENU
BUSCAR
ASSISTA AO VIVO

CPI da Covid ouve os últimos depoimentos nesta quinta-feira

Um paciente e um médico da Prevent Senior serão os depoentes desta quinta-feira.

Agência SenadoPublicado em 07/10/2021 às 10:45Atualizado há 10 dias

O cliente e o ex-médico da Prevent Senior são as duas últimas pessoas a serem ouvidas pela comissão parlamentar de inquérito, que fará sua 64ª reunião nesta quinta-feira.

A semana do feriado de 12 de outubro deve ser usada pelo senador Renan Calheiros (MDB-AL) para a conclusão do relatório. Renan já avisou que deve apresentar o documento no dia 19 de outubro, para ser votado no dia seguinte.

Em seu requerimento para ouvir o paciente da operadora, Humberto Costa (PT-PE) relata que Tadeu Frederico de Andrade contou ter sido infectado pela covid-19 no Natal e, por telemedicina na Prevent Senior, foi-lhe receitado o "kit covid". Seguindo a prescrição, Andrade tomou a medicação, mas seu quadro clínico se agravou, necessitando de internação em unidade de tratamento intensivo (UTI).

Após um mês na UTI, a equipe da Prevent, segundo alegado pelo beneficiário, queria tirá-lo da internação para economizar custos, colocando-o sob cuidados paliativos. A família se recusou a aceitar tal mudança terapêutica. Por fim, Andrade se recuperou, mas denunciou a Prevent Senior à comissão parlamentar de inquérito e ao Ministério Público de São Paulo.

No depoimento do médico Walter Correa de Souza Neto, os senadores vão procurar saber se havia cerceamento da autonomia médica e profissional do corpo clínico da Prevent Senior e se realmente havia distribuição indiscriminada do chamado kit covid. Também devem questionar se havia aplicação de terapêuticas para tratamento não autorizadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ou  não aprovadas pela Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep).

Conforme Humberto Costa, será necessário também esclarecer se ocorreu fraude em estudo clínico conduzido pela Prevent Senior sobre a segurança e eficácia do uso de hidroxicloroquina em associação com azitromicina em pacientes leves e se houve inadequação do encaminhamento de pacientes para cuidados paliativos.

  

ÚLTIMAS DE Brasil