Entrar
Perfil
ASSASSINATOS NA FLORESTA

Bruno e Dom: suspeito de mandar matar indigenista, "Colômbia" seguirá preso até o julgamento

Rubens Villar Coelho é apontado como chefe do esquema de lavagem de dinheiro do narcotráfico por meio da pesca ilegal no Vale do Javari

Agência O Globo
09/07/2022 às 10:19.
Atualizado em 09/07/2022 às 10:49

Colômbia ficará preso até o julgamento após a Justiça Federal do Amazonas decretar a prisão preventiva dele (Divulgação)

Rubens Villar Coelho, conhecido como Colômbia, ficará preso até o julgamento após a Justiça Federal do Amazonas decretar a prisão preventiva nesta sexta-feira. Ele é apontado como chefe do esquema de lavagem de dinheiro do narcotráfico por meio da pesca ilegal no Vale do Javari. O julgamento ainda não tem data definida.

Como O Globo revelou no mês passado, a PF já investigava Colômbia desde o desaparecimento e mortes do indigenista Bruno Pereira e do jornalista inglês Dom Phillips, em 5 de junho. A informação foi antecipada pelo blog da jornalista Andrea Sadi e confirmada pelo Globo por fontes da PF em Tabatinga.

Rubens Villar Coelho apresentou documentos falsos durante depoimento à PF nesta quinta-feira e foi preso em flagrante pelo delegado Ramón Santos Morais . Ele teria negado participação nos crimes, de acordo com o Superintendente da PF no Amazonas, Eduardo Fontes. "Colômbia" passou por audiência de custódia nesta sexta-feira e foi determinado que ficará preso até o julgamento, que ainda não tem data definida. Fontes afirmaram que "Colômbia" confirmou que mantém relação comercial de pesca com Amarildo da Costa de Oliveira, o Pelado, assassino confesso.

No mês passado, O Globo mostrou que apreensões de peixes que seriam usados no esquema foram feitas recentemente por Pereira. As embarcações levavam toneladas de pirarucus, peixe mais valioso no mercado local e exportado para vários países, e de tracajás, espécie de tartaruga considerada uma especiaria e oferecida em restaurante sofisticados dentro e fora do país.

A ação de Bruno contrariou o interesse de "Colômbia", que teria dupla nacionalidade brasileira e peruana e ainda um documento colombiano. Ele usa a venda dos animais para lavar o dinheiro da droga produzida no Peru e na Colômbia, que fazem fronteira com a região do Vale do Javari, vendida a facções criminosas no Brasil. Há suspeita de que ele teria ordenado a Amarildo da Costa de Oliveira, o Pelado, a colocar a “cabeça de Bruno a leilão”.

Conteúdo de marcaVantagens de ser um assinanteVeicule sua marca conosco
O Diário de Mogi© Copyright 2022É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por