Entrar
Perfil
CRIME

Anestesista investigado por estupros tem prisão convertida de flagrante para preventiva

Giovanni Quintella Bezerra, filmado enquanto estuprava uma grávida durante um parto no domingo no Hospital da Mulher Heloneida Studart, na Baixada Fluminense, é investigado até esta terça-feira (12) por seis estupros

O Diário
12/07/2022 às 17:41.
Atualizado em 12/07/2022 às 18:44

Membros do Conselho Regional de Enfermagem do Rio de Janeiro (Coren RJ) visitaram, na manhã desta segunda-feira (11), o Hospital da Mulher Heloneida Studart, em São João de Meriti, onde ocorreu o crime de estupro, perpetrado pelo médico Anestesista Giovanni Quintella. Ele teve a sua prisão convertida de flagrante para preventiva nesta terça-feira (12). O acusado passou por audiência de custódia realizada na cadeia pública José Frederico Marques, em Benfica, na Zona Norte do Rio.

O anestesista foi filmado enquanto estuprava uma grávida durante um parto no último domingo. Ele é investigado até esta terça-feira (12) por seis estupros. A informação foi dada da delegada que investiga o caso, Bárbara Lomba, ao portal G1. 

"Tudo indica que era um criminoso em série, realmente, porque há muitos indícios de repetição", disse a delegada. 

O conselho destacou que o flagrante do crime só foi possível a partir da sensibilidade e da coragem das profissionais de enfermagem que, observando o comportamento “fora do protocolo”, em duas cesarianas anteriores, posicionaram um celular em local estratégico na sala cirúrgica para identificar sua conduta diante da sedação excessiva da paciente que estava no procedimento de cesariana.

Durante o tempo da cirurgia, que durou cerca de 1 hora e meia, foram registrados 10 minutos do crime que teve grande repercussão no país. O caso também está sendo acompanhado pelo Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro (Cremerj).

O COREN RJ disse ainda que acompanhará todos os desdobramentos que dela advirem, colocando-se ao lado dessas colegas na defesa intransigente da atuação responsável e irrepreensível, que adotaram, nos orgulhando muito com essa atitude de coragem.

O conselho informou que foi até o Hospital para cumprimentar as colegas por esse precioso serviço prestado à sociedade, em especial à paciente vítima, honrando toda Enfermagem brasileira por atitude tão edificante para toda categoria, que tem como missão salvar vidas, prestando cuidados 24 horas por dia, do nascimento à finitude da vida. "A presença da autarquia teve também como propósito dizer aos dirigentes da mesma, que o exercício profissional pleno das colegas que protagonizaram essa ação, precisa ser garantido. Diante desse crime absurdo, flagrado por nossas colegas de profissão, a conduta dos dirigentes do Hospital não poderia ser outra senão, o de relatar o ocorrido à Delegacia pra efetuar a prisão em flagrante, e assim foi feito", trouxe em nota. 

O inquérito policial será conduzido pela Delegacia especializada e ainda, como consequência, foi aberto sindicância como uma das medidas administrativas, no âmbito da Unidade de Saúde em questão, a qual fará também a representação ao CREMERJ para a instauração do Processo Ético. Para todas as instâncias o COREN solicitou à Direção o acompanhamento, de perto das profissionais de enfermagem, inclusive jurídico.

 Prisão

Após a audiência, a Secretaria de Administração Penitenciária (Seap) informou ao portal G1 que Giovanni será encaminhado para o presídio Pedrolino Werling de Oliveira (Bangu 8), no Complexo de Gericinó. O médico deverá ficar em uma cela sem outros presos. 

Conteúdo de marcaVantagens de ser um assinanteVeicule sua marca conosco
O Diário de Mogi© Copyright 2022É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por