Entrar
Perfil
ELEIÇÕES 2022

Alckmin, Leite, ministros e governadores: março é mês decisivo na corrida eleitoral

Com a abertura da janela partidária, nesta quinta-feira (3), aqueles que quiserem trocar de legenda para concorrer a cargos públicos terão até o dia 2 de abril

Agência O Globo
02/03/2022 às 18:33.
Atualizado em 02/03/2022 às 18:34

Principais chapas que vão concorrer à Presidência da República ganham os seus contornos finais (Agência Brasil)

O mês de março começou e, com ele, as principais definições do mundo político são traçadas visando as eleições deste ano. Com a abertura da janela partidária, nesta quinta-feira, todos aqueles que quiserem trocar de legenda para concorrer a cargos públicos terão até o dia 2 de abril para fazer a mudança. Quem precisa se desincompatibilizar do cargo que ocupa para concorrer a uma vaga também terá que tomar a decisão até o mês que vem. Enquanto isso, as principais chapas que vão concorrer à Presidência da República ganham os seus contornos finais, com as definições dos vices e as respostas aos últimos convites partidários.

Uma das principais expectativas deste mês gira em torno da nova legenda do ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, que desfiliou-se do PSDB após 33 anos no partido e é apontado como possível vice na chapa encabeçada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O PSB aparece como provável destino do ex-tucano, embora o PV ainda seja cogitado como seu novo destino.

Por outro lado, a filiação do governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, ao PSD parece liquidada. O convite feito por Gilberto Kassab é bem visto por Leite, mas ainda é condicionado a outra decisão: a formalização da desistência do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, de concorrer ao Palácio do Planalto. Filiado ao PSD desde o ano passado com a expectativa de ser candidato à presidência, Pacheco deve dar lugar a Leite na corrida eleitoral.

Até 11 ministros do governo Bolsonaro poderão deixar seus cargos para concorrer a governador, senador ou deputado nas eleições do ano que vem. Se confirmada, será a maior reforma ministerial pré-eleições desde 2010. Ontem, o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, Marcos Pontes, confirmou que vai deixar o comando da pasta em março para se candidatar a deputado federal por São Paulo. Ele disputará a vaga na Câmara pelo mesmo partido do presidente Jair Bolsonaro (PL).
Além dele, outros miram uma vaga no Senado: Flávia Arruda (Secretaria de Governo), no Distrito Federal; Gilson Machado (Turismo), em Pernambuco; e Tereza Cristina (Agricultura), em Mato Grosso do Sul. Outros três ministros devem disputar governos estaduais: Tarcísio de Freitas (Infraestrutura), em São Paulo; João Roma (Cidadania), na Bahia; e Onyx Lorenzoni (Trabalho e Previdência), no Rio Grande do Sul.

O ministro da Justiça, Anderson Torres, é pré-candidato a deputado federal pelo Distrito Federal. Também analisam a possibilidade de entrarem na disputa Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos) e Marcelo Queiroga (Saúde). Na semana passada, mesmo sem confirmar a candidatura, Damares disse que o estado de preferência para concorrer seria o Amapá e afirmou ao senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), seu possível adversário, que está "chegando".
Sonar:  Depois de suspensão no Instagram, Bia Kicis é bloqueada no YouTube 

Por outro lado, o ministro das Comunicações, Fabio Farias, desistiu de concorrer ao Senado pelo Rio Grande do Norte, abrindo caminho para a candidatura de Rogério Marinho (Desenvolvimento Regional).

Ao menos três governadores, todos do nordeste, devem concorrer a uma vaga no Senado: Camilo Santana deve disputar uma vaga no Congresso pelo PT do Ceará, em uma dobradinha com Lula no palanque. O partido debate a possibilidade de que o candidato ao governo seja indicado pelo PDT e apoie Ciro Gomes à presidência.

No Piauí, Wellington Dias (PT) deve tentar repetir o feito de 2010, quando deixou o governo para concorrer ao Senado e venceu a disputa. O secretário de Fazenda do estado deve concorrer ao governo.

No Maranhão, Flávio Dino (PSB) sonha com o Senado, mas ainda precisa resolver uma pendência antes de deixar o governo: ele sonha com o apoio de Lula ao vice-governador Carlos Brandão (PSDB). O ex-presidente, no entanto, prefere apoiar o senador Weverton Rocha (PDT) ao cargo.

No "quebra-cabeça" eleitoral, março também deve ditar o rumo de seis prefeituras de capitais brasileiras. Eleitos ou reeleitos em 2020, os chefes dos Executivos municipais se preparam para concorrer aos governos dos seus estados. Para isso, precisam se desincompatibilizar até abril.

Em Minas Gerais, o prefeito de Belo Horizonte Alexandre Kalil (PSD) deve concorrer com o governador Romeu Zema (NOVO), que pretende se manter no cargo. Situação parecida deve ocorrer no Mato Grosso do Sul, onde o prefeito de Campo Grande Marquinhos Trad (PSD) será candidato ao governo contra o atual ocupante do cargo, o governador Reinaldo Azambuja (PSDB). Gean Loureiro deixará a prefeitura de Florianópolis para tentar o governo de Santa Catarina. Loureiro, que migrou para o União Brasil, ocupará a presidência do diretório nacional do partido.

O grupo dos indecisos também está com os dias contados. O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB) terá até o fim do mês para definir a sua candidatura ao Executivo estadual. O mesmo deve acontecer com João Henrique Caldas (PSB), que avalia a renúncia da prefeitura de Maceió para se candidatar em Alagoas, e em Sergipe, onde Edvaldo Nogueira (PDT) pode deixar a prefeitura.

Conteúdo de marcaVantagens de ser um assinanteVeicule sua marca conosco
O Diário de Mogi© Copyright 2022É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por