Alto Tietê terá mais 15 dias na fase amarela do Plano SP

A partir de segunda, Mogi vai acompanhar a retomada das aulas práticas em universidades. (Foto: Arquivo)
A partir de segunda, Mogi vai acompanhar a retomada das aulas práticas em universidades. (Foto: Arquivo)

A região de Mogi das Cruzes permanecerá por mais duas semanas na fase amarela do Plano São Paul, na terceira etapa do programa de retomada econômica, anunciada ontem pelo Centro de Contingência da Covid-19 no Estado. O Alto Tietê integra o colchete da Zona Leste da Capital. A decisão era esperada pelos prefeitos do Consórcio de Desenvolvimento de Municípios do Alto Tietê (Condemat), diante do reforço das medidas preventivas contra o vírus adotadas nos últimos 15 dias.

O prefeito Marcus Melo (PSDB) informou que vai publicar hoje o decreto municipal que autoriza as instituições de ensino superior e as escolas profissionalizantes a retomar as atividades laboratoriais e prática na segunda-feira (veja matéria à página 5).

Os dados do Alto Tietê demonstram que houve redução de internações e óbitos, mas a noticação de novos casos continua m alta, e por isso não pode haver relaxamento das normas sanitárias e do isolamento social, segundo Melo. Ele alega que a cidade vem cumprindo todas as exigências, mas reforça “a necessidade da colaboração de toda a população” com as medidas protetivas para que a região possa avançar e chegar à fase verde no programa de flexibilização.

O presidente do Condemat, Adriano Leite acha importante seguir com cautela na fase amarela e diz que “apesar do anseio da maioria, ainda não estamos preparados para a fase verde”. Ele entende que após vários meses de restrições, a retomada das atividades precisa ser feita cautelosamente para evitar o aumento da contaminação.

Os indicadores regionais demonstravam uma ocupação de 64% de leitos de UTI, com uma oferta de 15,7 leitos para cada 100 mil habitantes, o que representa um acréscimo respectivo de 8,47% e 0,64% comparado a 15 dias atrás, quando avançou para a fase amarela.

Nos novos casos, o Alto Tietê apresenta uma variação de 0,90 (23,2% a mais do que a variação do último dia 10). Nas internações e óbitos, as variações registradas nesta atualização são de 0,90 e 1,01 – respectivamente 8,16% e 24,62% a menos do que o contabilizado há 15 dias. A metodologia adotada pelo Estado considera a evolução registrada nos últimos 7 dias, dividida pelos 7 dias anteriores. A próxima atualização está programada para 7 de agosto.

Biritiba tenta conter casos

A Prefeitura de Biritiba Mirim instalou posto de atendimento e adotou novas medidas para evitar a proliferação de casos do novo coronavírus e conter as mortes. O município registrou uma elevação de registros na última semana, motivo de alerta do Centro de Contingenciamento da Covid-19 no Estado, mas conseguiu estabilizar os índices nos últimos dias, o que contribuiu para manter o Alto Tietê na faixa amarela do Plano São Paulo.

Até ontem eram 112 casos confirmados de Covid-19 no município. Desde o início da pandemia, a cidade vinha mantendo um gráfico com a média abaixo de dois dígitos, mas teve um pico na semana passada, com 14 casos positivos por dia. Até agora são 13 óbitos. O lugar possui ainda 69 casos suspeitos à espera dos resultados dos exames. Informações detalhadas no site: https://igaps.org.br/coronavirus/

Para amenizar o deficit de leitos, o prefeito Walter Tajiri (PTB) instalou o Posto de Atendimento e Isolamento Covid-19. A estrutura iniciou atendimento nesta semana nas dependências do Ginásio de Esportes e tem a capacidade de 10 vagas. Todo o atendimento aos pacientes está centralizado no local.

“Tivemos uma demora para o início das atividades por conta da dificuldade em encontrar os equipamentos necessários, principalmente por estarem com preços elevados, mas já está tudo funcionando e todos os materiais chegaram na semana passada”, garante o prefeito. A Prefeitura decidiu fazer licitação para a comprar materiais e reduzir os custos.

Sobre a questão da elevação dos índices, Tajiri observa que “se avaliarmos o número de casos registrados em Biritiba Mirim levando em conta o número de habitantes, vemos que o número é baixo em relação a outras cidades”. Mesmo assim garante que estão sendo “analisadas todas as situações para melhorar diariamente o atendimento à população”.

Moradores sugerem também a higienização e até lavagem de algumas ruas da cidade. Sobre esse pedido, a Secretaria Municipal de Saúde informa que a equipe está se reunindo para definir como será feita a limpeza em todo o município.

Balanço

Os municípios do Alto Tietê ultrapassaram ontem a marca de 900 vítimas fatais do novo coronavírus, com 100 novos óbitos confirmados nos últimos nove dias. Os dados voltam a apontar estabilização dos números relacionados à pandemia de Covid-19: a região levou igual período para evoluir de 700 para 800 mortes atreladas a doença.

Até então, as cidades apresentavam aceleração neste critério. O território levou 10 dias para evoluir de 500 para 600 mortes pela doença, enquanto o acréscimo de uma centena de óbitos, entre 600 e 700, ocorreu em intervalo maior, em 11 dias. A análise é feita com estatísticas das Vigilâncias Epidemiológicas de cada cidade e considera apenas os casos que foram receberam exames laboratoriais.

Desde o início da pandemia, o recorde de ampliação ocorreu quando a região avançou de 300 para 400 óbitos em apenas oito dias, em 4 de junho – quando o Alto Tietê enfrentava o pico da infecção. Já entre a primeira e a centésima morte se passaram 36 dias.

Ontem, o Alto Tietê apresentou 64% de ocupação de leitos de UTI e tinha uma oferta de 15,7 leitos para cada 100 mil habitantes, o que representa um acréscimo respectivo de 8,47% e 0,64% na comparação com os dados de 15 dias atrás, quando a região avançou para a fase amarela.

Nos novos casos, o Alto Tietê apresenta uma variação de 0,90 (23,2% a mais do que a variação do último dia 10). Nas internações e óbitos, as variações registradas nesta atualização são de 0,90 e 1,01 – respectivamente 8,16% e 24,62% a menos do que o contabilizado há 15 dias. A metodologia adotada pelo Estado considera a evolução registrada nos últimos 7 dias, dividida pelos 7 dias anteriores.

Balanço

Nas últimas 24 horas, cinco das dez cidades do Alto Tietê confirmaram oito novas mortes de pacientes diagnosticados com o novo vírus – o menor número em um mês. Outros 11 falecimentos haviam sido acrescentados no balanço anterior.

A maior parte das vítimas recentes residia em Suzano, que confirmou metade das novas mortes, chegando a um total de 168 vítimas. Mogi das Cruzes, que agora soma 231 óbitos por Covid-19, confirmou uma nova vítima ontem, assim como Santa Isabel, Guararema e Arujá. Guarulhos, que integra a subdivisão leste do Plano São Paulo, confirmou 31 novas mortes e chega a 1.029 vítimas fatais.

A região confirmou mais 247 casos positivos da doença – foram 246 no balanço anterior – e passa a totalizar 12.554 infectados, considerando apenas os casos que foram testados. Deste total, 6.997 pessoas foram classificadas como recuperadas, que equivale a 55,7% dos casos registrados.

São Paulo

Até ontem, o Estado de São Paulo registrava 21.206 óbitos e 463.218 casos confirmados – 311.502 pessoas estão recuperadas, sendo que 62.731 foram internadas e tiveram alta.


Deixe seu comentário