MEDIDA

Álcool em gel poderá ser obrigatório nos ônibus de Mogi das Cruzes

COMPLICADO Disseminação do novo coronavírus no transporte público é uma das principais preocupações. (Foto: arquivo)

As empresas de ônibus serão obrigadas a instalar dispensadores de álcool em gel nos ônibus de transporte público e dependências de terminais rodoviários para garantir maior segurança e evitar a disseminação do novo coronavírus entre os passageiros. O projeto que faz essa exigência foi aprovado durante a sessão da Câmara desta terça-feira (4). Para virar lei, ainda dependerá do aval do prefeito Marcus Melo (PSDB), que já teria sinalizado positivamente para a propositura de autoria do vereador Jean Lopes (PL).

A questão dos transportes públicos é um tema recorrente na Casa. Os vereadores criticam a falta de mais ônibus nas linhas para evitar superlotação nos coletivos, uma situação que se agravou especialmente no último mês, após a reabertura dos setores da economia.

Os parlamentares também querem ampliar o debate a respeito da educação, com destaque para a volta às aulas nas escolas da cidade. A exemplo da grande maioria dos pais consultados pela Prefeitura que rejeita essa proposta, muitos também são contrários ao retorno dos estudantes às salas de aulas.

Além de aprovar a moção do vereador Iduigues Ferreira Martins (PT), que fez apelo à Prefeitura para que as aulas não retornem durante a pandemia, a Câmara decidiu ampliar o debate convidando representantes da Secretaria Municipal de Educação, da Diretoria Regional de Ensino (DRE) e de escolas particulares para encontro na Casa.

Outro projeto aprovado ontem institui a Semana Municipal de Combate à Violência Contra a Mulher no município, a ser comemorada anualmente em março. O autor da propositura, vereador Diego de Amorim Martins (MDB), pretende estimular ações de conscientização para combater o problema, que se destacou muito durante a pandemia.

Testes

O Legislativo realizou ontem testes de Covid-19 nos servidores, inclusive em vereadores, e constatou que seis funcionários apresentaram resultados positivos para o vírus. Os casos foram confirmados inicialmente nos testes rápidos.

Porém, alguns deles já haviam se contaminado anteriormente e cumprido a quarentena. Por isso, fizeram novo teste sorológico que constatou que cinco deles tinham apenas os anticorpos, mas já estavam livres do vírus. A contraprova foi solicitada à Secretaria Municipal de Saúde pelo vereador e médico Otto Rezende (PSD).

A realização dos testes foi determinada pelo presidente da Casa, Sadao Sakai (PL), após a contaminação do vereador Jean Lopes (PL), além de assessores, motoristas e outros servidores. Mesmo tendo casos positivos, ele diz que isso não compromete as atividades na Casa, porque entende que a situação está sob controle.


Deixe seu comentário