INFORMAÇÃO

Acidentes ainda ocorrem em vãos das estações da CPTM

Da janeiro a 25 de junho, 156 pessoas já caíram entre plataformas e trens

Desde o início do ano até o mês passado, 156 pessoas já caíram em vãos existentes entre as plataformas de estações e composições da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). Desse total, pelo menos 20 quedas ocorreram no trecho da Linha 11 – Coral, que liga Mogi das Cruzes e São Paulo. O levantamento foi feito por Lucas Veloso, da Agência Mural, site que traz notícias da periferia da Região Metropolitana de São Paulo. Ele usou, como base, os números obtidos por meio da Lei de Acesso à Informação, correspondentes ao período compreendido entre o começo de janeiro até 25 de junho último. Outra via férrea que também serve à região de Mogi das Cruzes, foi a campeã de acidentes nesse período: a Linha 12 – Safira, que liga as estações do Brás e Calmon Viana, registrou 42 ocorrências. Já a Linha 10 – Turquesa, entre o Brás e Rio Grande da Serra) foi a que apresentou o menor número de quedas: 10. O ranking completo elaborado com informações oficiais da própria empresa ferroviária de transporte de passageiros traz ainda a Linha 9 – Esmeralda (Osasco-Autódromo), com 37 quedas; a Linha 8 – Diamante (Júlio Prestes – Itapevi – Amador Bueno) e Linha 13 – Jade (Engenheiro Goulart – Aeroporto de Guarulhos), com 16 quedas em cada uma delas; além da Linha 7 – Rubi (Luz – Francisco Morato – Jundiaí), com 15 quedas neste ano. Ainda que esses números possam ser considerados elevados demais, por serem resultantes de um problema de solução pouco complicada – a distância entre a plataforma e as portas de entrada dos trens de subúrbio –, o levantamento da Agência Mural indicou que o total de quedas nas estações vem caindo, progressivamente nos últimos anos. Os 1.033 casos do ano de 2016 foram reduzidos para 989 casos em 2017; para 782 acidentes em 2018; e 745 em 2019. Neste ano (2020), até a data em que pesquisa foi feita, dia 25 de junho, 156 casos já haviam sido registrados. A CPTM também informou que já instalou redutores de vãos em algumas estações de sua área de atuação e que tem projetos de instalar os equipamentos em outras. No sábado passado, dia 8, a empresa publicou no Diário Oficial um chamamento público, etapa inicial para uma concorrência, destinado à compra de material e realização dos serviços.

Reformas – 1

Mesmo com o governador João Doria em quarentena, por conta de haver testado positivo para o novo coronavírus, foi publicado ontem, no Diário Oficial do Estado¸o projeto de sua autoria que prevê a extinção de 11 empresas, autarquias e institutos estatais, visando reduzir gastos de R$ 8,8 bi/ano. Serão cortados cerca de 5,6 mil empregos públicos diretos. A Assembleia Legislativa terá de votar e aprovar. E é aí que mora o perigo maior de tal reforma administrativa.

Reformas – 2

Já repercute nas redes sociais, por exemplo, a extinção da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU), que cuida dos sistemas de ônibus na Região Metropolitana, cujas atribuições seriam absorvidas pela Artesp. Mas há outros segmentos na lista, como a Fundação Parque Zoológico, Fundação para o Remédio Popular, Fundação Oncocentro, Instituto Florestal, CDHU, Superintendência de Controle de Endemias (Sucen) e Departamento Aeroviário (Daesp), entre outros.

Sinais – 1

Depois da longa conversa com Marco Bertaiolli, na quinta-feira, o vereador Otto Rezende, disse à coluna que espera até o dia 30 que o deputado federal reveja sua posição de ficar “neutro” na atual campanha. Otto diz que junto com os colegas Claudio Miyake e Edson Santos vão buscar fortalecer o PSD para o próximo pleito. Indagado sobre como ficaria Antonio Lino, Otto respondeu que o colega está buscando “seu próprio caminho”, tentando a vaga de vice de Marcus Melo (PSDB).

Sinais – 2

Na busca pelo fortalecimento do PSD, o vereador Otto não descarta tanto o apoio a Caio Cunha (PODE) quanto a Marcus Melo, desde que o prefeito se comprometa a dar à bancada do partido o respaldo que não teria oferecido no decorrer do atual mandato. Segundo Otto, os antigos vereadores teriam recebido mais atenção que os recém-eleitos. Sinal de que muita negociação ainda deverá acontecer no decorrer deste mês.

Frase

Juíza que cita raça negra ao condenar um réu é mais um dos joelhos que impedem os negros de livremente respirar.

José Vicente, reitor da Universidade Zumbi dos Palmares, no Rio, sobre a juíza Inês Marchalek Zarpelon, de Curitiba, que condenou um réu citando sua raça


Deixe seu comentário